Carousel: a melhor música de pop-punk de todos os tempos

Autor Por Mona em 26/04/2013

Um usuário do site de notícias Dying Scene publicou seu primeiro artigo analisando a música Carousel, do blink-182. A música foi composta por Mark Hoppus e Tom DeLonge, no primeiro encontro da dupla, e até hoje permanece no setlist da banda. Com sua incrível introdução, letra e ritmo, é considerada a primeira música do blink-182.

blink-182-cheshire-cat-cover-9080

Abaixo, você confere a tradução do texto:

Muito tempo depois de comprar o álbum, em 1994, e muito tempo depois de já ter ouvido todas as piadas de Dude Ranch, alguém me chamou em uma festa qualquer e disse: ‘Essa é a melhor música de punk rock que você vai ouvir na vida. Preste atenção‘.

Quase 20 anos depois, quando volto minha atenção novamente para Carousel, a música que abre Cheshire Cat, não posso deixar de pensar que ela é definitivamente alguma coisa, mesmo que eu já tenha ouvido dúzias de memoráveis músicas de punk rock.

Se me der um momento, gostaria que escutasse esta música mais uma vez, e eu quero dizer escutar de verdade. Ela é, depois de tanto tempo, o protótipo de todas as outras músicas de pop punk que surgiram. Sim, vá buscar seu CD no fundo da estante. Eu espero.

Ela começa devagar, mas não se engane. Com uma melodia distorcida na guitarra, pratos de bateria distantes e um baixo distinto; você poderia confundir facilmente com um arranjo de heavy metal. Depois de 30 segundos, a guitarra pesada recua e instantaneamente aquele conhecido riff de baixo entra. Ainda que essa sequência seja apenas a abertura para o frenético, imprevisível e poderoso refrão que vem a seguir, depois de um minuto, é parte indispensável da música. Francamente, sempre pensei que a versão anterior, em Buddha, fosse mais fraca, assim como a versão de The Mark, Tom & Travis Show. Com sua lentidão e tom harmoniosamente melancólico, a introdução acompanha o tema da canção e dá seriedade para uma música que trata da solidão.

Assim que tal introdução termina, o tom muda e sem cerimônias o baixo fica ecoando em sua cabeça, mas é substituído por uma guitarra que se mantém tempo o suficiente para te deixar se perguntando sobre qual direção a música tomará.

Então ela aparece, como uma epifania, como se transformasse uma energia fraca em som: uma guitarra, uma melodia punk perfeitamente memorável que amarra e justifica tudo o que veio antes dela. Finalmente, assim que você ouve a furiosa e estridente voz de um Tom DeLonge jovem cantar os primeiros versos, “I think of you every now and then/I never felt so alone again/I stop to think at a wishing well/My thoughts send me on a carousel”, você sente a música no seu corpo, bruscamente. É poderosa.

E já que citamos a letra, vale mencionar que ao contrário de muito do que o blink-182 já escreveu, o significado de Carousel é bastante decente, considerando que DeLonge a escreveu com 18 anos. Ele não é exatamente um poeta, mas em Carousel temos versos honestos, fáceis de serem relacionados.

Então temos uma introdução com uma estrutura interessante, uma melodia contagiante e empolgante demais, e adicione o bônus de letras com um significado. É uma música que fica na sua cabeça depois que termina, diferente do restante do álbum e de todo o trabalho do blink-182, diferente de todo pop-punk.

Então eu pergunto: quantas pessoas familiarizadas com pop/skate punk colocariam Carousel entre suas cinco preferidas?

E então, Carousel também está entre as suas músicas preferidas do blink-182? E além disso, entre as suas preferidas entre todas as outras músicas?