“Tá na hora do blink-182 entrar em um hiato indefinido de novo”

Autor Por Danilo Guarniero em 28/05/2014

Blink182anuncio

Essa afirmação não é nossa. Aliás, isso é uma coisa que nós definitivamente não queremos mais e com certeza nenhum dos fãs que acessam o Action182. Quem soltou essa opinião foi Zack Zarrillo, um dos editores do site Property Of Zack, em seu novo podcast com Jesse Cannon. Mas a discussão é boa.

Abaixo você ouve o podcast que fala sobre esse assunto polêmico, entre outros (em inglês), e em seguida, um post que o mesmo autor publicou em seu blog que complementa sua opinião expressada no podcast.

Eu acredito que o blink-182 deve entrar em um hiato indefinido de novo.

Paixão é a única palavra que eu uso para descrever meu sentimento interno em relação à reunião da banda emm 2009. Sempre sonhei com uma turnê, mas nunca acreditei em uma época em que isso realmente acontecesse de novo. Mas aconteceu, e foi melhor que nos meus sonhos. Isso nunca acontece.

Mas isso foi em 2009.

Um colega meu ficou chateado pelo bink-182 nunca fazer nada “ousado” por boa parte de 2013. Por que o Green Day podia tocar o Dookie num show surpresa em sua turnê pelo Reino Unido, mas o blink-182 só podia tocar em um anfiteatro na cidade “x”, Estado “y”? No outono de 2013, isso mudou. O blink-182 tocou em alguns locais pequenos, seguido por shows em homenagem ao seu disco mais importante e passaram pela promessa de começar a criar novas músicas no período de 90 dias.

Entretanto, as coisas caíram por terra.

Eu estava caminhando pela rua em abril ouvindo o We Don’t Need To Whisper, do Angels & Airwaves, e o que eu senti naquele momento foi paixão pelo seu criador no mais puro sentido da palavra. Tinha uma urgência cravada no meio daquelas melodias que podia se desfazer se aquela paixão não fosse liberada.

No contexto daquela caminhada, uma coisa embaraçosa aconteceu: os membros do blink-182 começaram a “jogar a culpauns contra os outros e falharam ao cumprir suas promessas feitas para si próprios e para seus fãs (novamente). E foi aí que eu comecei a considerar: por que temos que testemunhar isso?

Porque não há consequências agora.

Não há consequências para caras com 40 anos dando as costas para uma das maiores bandas do mundo. E todo o resto que acontece dentro dela.

2009 foi uma época diferente. A reunião do blink-182 foi sentida com tanto peso porque havia um buraco muito grande que mesmo as bandas que estavam no auge como o Fall Out Boy ou o Paramore não conseguiam suprir. Mas agora é 2014, e nós já conseguimos o que queríamos.

Tivemos a chance de ver o blink-182. Eu os vi 10 vezes, e isso é 10 vezes mais do que eu poderia imaginar ser realidade antes de 2009! Ouvimos músicas novas deles, também! Alguns gostaram. Alguns odiaram. Mas de qualquer maneira, conseguimos o que queríamos.

Eu não tenho pretensão nenhuma de dizer aos membros da corporação blink-182 o que fazer de suas vidas, mas na perspectiva de um fã da banda, eu me senti melhor quando ouvi o We Don’t Need To Whisper do que com o Neighborhoods porque lá foram capturados momentos de paixão que não podiam ser fingidos.

Não façam músicas novas se não podem agendar um estúdio por causa de desculpas que não acabam nunca.

Não continuem fazendo turnês porque agora vocês estão presos nessa existência se vocês têm a intenção de ter.

Acima de tudo, por favor, não deixem a paixão queimar só porque acreditam que estão aprisionados pelas consequências de perder a segurança.

Esse é o ponto, paixão acima das consequências. O último não pode superar o primeiro.

Acredito que o blink-182 deveria voltar para um hiato indefinido. E você?

Leia também:

Artigo: o blink-182 conseguiu amadurecer normalmente?

Rolling Stone relembra o primeiro show do blink-182 depois do hiato