A Importância do Bem

Autor Por Fernando Belucci em 24/10/2009

Pessoal, só eu noto ou o mundo todo se importa só com coisas ruins?! Se algo é bom, tá… É bom. Se algo é ótimo, legal: ótimo! Mas se a coisa for ruim… Sai da frente, você é a pior pessoa do mundo. E a notícia vai render a eternidade.

Temos milhões de anos e não evoluímos nada! Ninguém é obrigado a concordar com ninguém, ninguém é obrigado a ler nada. Agora neguinho falar coisas assim: eu odeio tal banda, eu tenho todos os CDs e nenhum é bom. Odeio essa série, to na 3ª temporada e não me prendeu. Odeio tal cara, leio todos os textos dele e não gosto.

As pessoas são treinadas desde a infância a crucificar (e contraditoriamente venerar ao mesmo tempo) o errado e o certo deixar pra lá: já que tá certo, foda-se, não há problema nenhum. Sim não há problema nenhum, então por que não se focar nesse acerto? Tratar este sim como um exemplo. Um cara ajuda famílias, há anos em certa região de São Paulo, mas ninguém filma isso, ninguém comenta isso. Tem 20 câmeras num assalto, num acidente. A repórter na tevê fala: “por favor, gente se você não é jornalista fazendo seu trabalho e só é curioso, deixa um espaço pro cara.” E quem está sintonizado no canal não é curioso também? Quem compra um jornal pra ler notícias como essa, só pra poder falar: “nossa o mundo tá perdido” também é curioso! Deveria sim o jornalismo atual ser usado para bons exemplos. Pra unir a sociedade, não separá-la. A opinião foi feita pra discutirmos e chegarmos num conceito mútuo, não numa guerra ofensiva que sempre torna essas brigas sem utilidade nenhuma.

É assim com religião, é assim com política, assim com futebol, até com música. Assuntos proibidos? Só se nós somos estúpidos suficientes pra não entender que a outra pessoa não é obrigada a gostar das mesmas coisas que você. Tenho amigos de outros partidos, tenho amigos que me zoam por algumas bandas que gosto, tenho amigos que eu zoei pela banda que gosta, pelas atitudes. O importante é sabermos que essa diferença é a vantagem. E se tornarmos essa diferença positiva, não só pra trazer o mal do mundo e do ser humano, que depois de tanta guerra, inquisição, tortura já conhecemos demais esse lado.

Vá ajudar de verdade alguém, vá falar: “o cara que eu odeio ganhou na eleições, mas se ele fizer um bom governo eu agradeço” porque esquecem que a idéia da eleição não é a do futebol: É na verdade o bem estar geral. Poucos se lembram que certo e errado são relativos. Só existe essa diferença absurda de bom e mal lá na Malhação. Todos são cheios de qualidades e defeitos. Se em 2012 o mundo acabar, é porque nem um milhão de anos foi suficiente pra entrar isso nas nossas cabecinhas.

Fernando Belucci tem 25 anos, estuda Jornalismo, é  escritor e roteirista de quadrinhos, um blog de contos… E feliz com a novidade: a partir da semana que vem no comando do ActionCast!