Você, meu amigo de fé, meu irmão camarada

Autor Por laisizzle em 27/07/2010
Primeiro: queria pedir para vocês gentilmente perdoassem o meu título. Juro que foi a primeira música que me remetesse a “amigo” que eu consegui lembrar.
.
Segundo: é, eu sei, já falei um bocado sobre amigos em uma coluna minha, mas sabe como é. Quis falar só sobre amizade em uma outra.
.
Terceiro: pois é. Eu esperei, propositalmente, o Dia do Amigo passar para poder falar dele. Não do dia, e sim do amigo. Só para poder frisar bem essa parte de que, hey! Todo dia é dia do amigo, faça-me o favor.
.
Alguém já falou que amigos são a família que a gente escolhe. Um tal de Mark Hoppus já disse, se referindo a um grande amigo dele que por acaso se chamava Tom Delonge, que eles eram tão próximos que era como se fossem “a mesma pessoa em diferentes corpos”. Minha prima Luana escreveu no status do Orkut dela que “Na prosperidade, nossos amigos nos conhecem; na adversidade, nós conhecemos nossos amigos” (se alguém souber o verdadeiro autor da frase, favor entrar em contato). E se eu estou citando todos eles, meus caros leitores, é porque assino embaixo de tudo que disseram.
.
Com essas citações e com sua experiência, provavelmente você consegue diferenciar um amigo de um colega. Além da velha e engraçadinha tática que aprendemos que nos diz que “colega tenta apartar sua briga, mas amigo que é amigo chega na voadora!”, eu gosto de associar a amizade com um porto seguro. Sabe? Aquelas pessoas (no plural apenas se você for alguém bem sortudo) que você sabe que vão te segurar quando você ameaçar despencar, que você consegue confiar de olhos fechados, que você conhece tão bem que seria capaz de captar o que elas estão sentindo apenas observando-as. Às vezes nem isso; basta apenas vocês trocarem olhares e pronto. Nenhuma comunicação verbal precisa ser feita.
.
Já tentei imaginar a vida sem essas pessoas (é, pode ser que eu tenha tendências masoquistas). Sem alguém para dividir as alegrias e sucessos, sem ninguém que me abrace quando eu preciso (ou não!) e até mesmo sem algum deles para me repreender por alguma besteira que eu fiz.
.
Todo mundo tem – e precisa – de um porto seguro. O que muda é que poucos têm ciência disso e, geralmente, só passam a ter depois que perdem. É, eu sei: tipicamente clichê. E eu, como alguns, já pedi uma das pessoas que construíam o meu.
.
Às vezes você tem que cair para saber quem irá te levantar.
.
Não existe decepção pior do que o abandono de um amigo – do que a sensação do desalento, de se sentir sem chão. Ver uma vida de familiaridades escoar pelo ralo e as lembranças não passarem de ecos em sua mente.
.
Às vezes você precisa sentir na pele como é assistir um irmão se tornar um estranho.
.
Você pode até valorizar seus amigos antes de passar por isso, mas é como já foi dito: Só depois de perder uma é que aprendemos a atribuir o real valor às nossas amizades.
.
Afinal, o que seria de nós sem os nossos irmãos de alma, os habitantes do nosso porto seguro? Eles aprendem, crescem (tanto com o passar dos anos quanto com o aprendizado adquirido por vocês ao longo dos mesmos) e se dividem conosco. Sem eles e as gargalhadas, abraços e às vezes até lágrimas que caracterizam todos os momentos que passamos juntos, certamente seríamos – nós e a nossa vida – bem, bem mais sem graça.
.
Fica aqui o meu recado: Cuidem bem das suas amizades, muchachos, porque também é através delas que as pessoas te conhecem (vai dizer que conhecer seus amigos não pode dizer muito sobre você?) e nós, mais do que ninguém, sabemos como grandes amigos podem ser importantes (até na volta de uma banda, hein? Quem sabe?).
.
E que fique aqui também o meu abraço para todos os meus amigos – os virtuais (porque sim, vida longa à amizade virtual!) e os “reais” – e para todos vocês que leram isso e se sentiram, pelo menos por alguns segundinhos, tocados. Deveríamos sair pra tomar alguma coisa. Certeza que temos algum potencial de amizade!
.
Laís Cerqueira Fernandes tem 17 anos, é estudante do Ensino Médio, futura estudante de Jornalismo, aspirante a escritora e, se tem algo de que ela se orgulha, é dos seus amigos.