Um resumo sobre o show do blink-182

Autor Por daniimarconato em 25/08/2011

Um review do show do blink-182 em Milwaukee para o Journal Sentinel.

Os caras do blink-182 não cresceram muito. Terça-feira à noite no Marcus Amphitheater, segundo show do blink em Milwaukee desde a sua reunificação em 2009 depois do hiatus indefinido, o guitarrista e vocalista Tom DeLonge, o baixista e vocalista Mark Hoppus e o baterista Travis Barker provaram depois de uma década com músicas antigas, um senso de humor juvenil e uma performace brincalhona, que ainda estão vivos e divertidos.
Mais reconfortante para a multidão de fãs, a banda tocou quatro músicas do novo álbum “Neighborhoods”, primeiro álbum do blink em oito anos, sem um novo hit. “Heart’s All Gone”, com vocais nasais, guitarra e bateria alucinantes, era o blink clássico.
“Ghost on the Dancefloor” sugeriu uma evolução sonora, com sintetizadores e uma letra mais emotiva, mas, no entanto, honrou e agradou a multidão com o trabalho na guitarra e toda a dinâmica de Barker na bateria. Barker depois executou uma performace solo sobre um “braço de ferro” sobre a multidão. É irreal um homem que sobreviveu a um desastroso acidente de avião que matou quatro pessoas  há apenas três anos atrás conseguir realizar isso bem.
A multidão mostrou entusiasmo com os hits, foram 20 no total, incluindo “What’s My Age Again?”, “All The Small Things”, “The Rock Show” e “Always”. Em meio a platéia cantando junto, Mark pulando através do palco enquanto Tom mais estático deixava a sua guitarra fazer a dança. Ocasionalmente ocorriam brincadeiras imaturas entre as músicas, alguns tropeços mas o relaxamento geral do grupo em 80 minutos e a presença dos filhos tocando atrás do Travis perto de terminar a apresentação providenciaram uma espontaniedade extra. A banda não teve nenhum problema em explodir o anfiteatro com um rock denso e ambicioso.