Travis Barker supera vícios ruim com vício em correr" alt="nome da noticia">

Travis Barker superou vícios ruins com corrida

Autor Por Márcio Medeiros em 21/06/2017

Travis Barker supera vícios ruim com vício em correr

Travis Barker concedeu uma entrevista para o site Runner’s World. Para quem não sabe, o baterista do blink-182 é viciado em correr. Apesar de ser um vício, o título da matéria lembra que através desse, ele superou vícios piores.

Eu fiz minha primeira corrida séria no dia em que descobri que minha ex-esposa [Shanna Moakler] estava grávida de nosso filho, Landon. Cheguei em casa do consultório médico e corri até a auto-estrada, que estava a quatro milhas de distância.

Eu nunca tinha corrido por diversão antes, mas fiz isso todos os dias até ele nascer. Eu seria responsável por alguém e seria um modelo a ser seguido. Esse foi o início de começar a ficar em forma.

Quando eu estive naquele acidente de avião [em 2008], 65% do meu corpo foi queimado e meu pé direito quase foi amputado. Os médicos me disseram: “Você provavelmente nunca mais voltará a correr. Você pode não tocar mais bateria novamente”.

No minuto em que eles disseram aquilo, aquelas coisas viraram um desafio para mim. Uma vez que eu aprendia a andar novamente no hospital, a primeira coisa que eu quis foi tocar bateria e correr.

Seis a oito meses após o acidente, eu estava correndo. Era como um tiro de advertência – outra chance de melhorar minha vida.

Me sinto mal se eu não corro. É como uma refeição. Eu preciso disso todos os dias.

Eu não pego avião, então, fico em um ônibus por 10, 12 horas quando estou em turnê. Às vezes, quando o motorista para em um posto de gasolina, eu digo: “Para que direção você vai? Eu vou começar a correr e você me pega!”.

Mesmo no estúdio, se tiver uma pausa, eu não consigo simplesmente me sentar lá. Dizem que sentar é o novo câncer, e eu meio que concordo.

A parte mais legal de estar em turnê é poder correr nas escadarias dos auditórios e arenas. É bem tranquilo depois da passagem de som. Seis horas depois, a arena vai estar lotada com 20, 30 mil garotos gritando. É a calmaria antes da tempestade.

As pessoas viajam quando digo que corro sem música, mas quando eu estou em estúdio o dia todo trabalhando e ouvindo música, às vezes eu quero me desligar.

Eu estou sóbrio desde o acidente, mas eu substituí todos os meus maus vícios pelos bons. Agora eu fico chapado ao correr.

Eu simplesmente amo correr. Isso me faz sentir que eu posso conquistar qualquer coisa que venha até mim. Eu nunca fico sem energia. Eu nunca estou cansado quando estou com meus filhos. Eu devo isso tudo à corrida.