TRADUÇÃO: Blink-182 na revista Rolling Stone.

Autor Por Danilo Guarniero em 07/06/2009

Como prometido, aqui está a tradução da matéria com o Blink-182 na revista Rolling Stone:

Por dentro da grande reunião do Blink-182.
Como o acidente do Travis os trouxe juntos novamente.

O guitarrista do Blink-182, Tom DeLonge não falava com seus companheiros de banda desde que eles se separaram, em 2005. Então, no outono passado (nos EUA) a tragédia aconteceu: o baterista Travis Barker quase morreu em um acidente de avião na Carolina do Sul, e depois disso as diferenças pessoais e artísticas que causaram a separação pareciam não ser mais importantes. “Eu estava em um aeroporto quando vi isso no noticiário” Disse DeLonge nos bastidores do Tonight Show no meio de Maio, onde a banda estava preparando a primeira apresentação importante desde a separação. “Eu estava simplesmente sentado lá, com lágrimas nos meus olhos. Eu decidi que queria estar junto com o Travis quando ele voltasse a tocar bateria novamente.” DeLonge vira para seus companheiros de banda e diz com seriedade, “Eu acho que nunca disse isso a vocês, mas é algo que prometi a mim mesmo.”

Em julho a banda começará uma turnê de volta com 50 shows em todo o país (ingressos começaram a ser vendidos em 30 de maio) que prometem ser dos mais populares shows da temporada. “Nossa pausa aconteceu realmente por que estávamos sobrecarregados”. Disse DeLonge. “Os anos passaram e todos estão diferentes agora. Já era tempo de colocarmos essa merda de lado e sermos apenas humanos.”

Enquanto eles faziam a passagem de som do Tonight Show (versões divertidas dos hits “The Rock Show” e “All The Small Things” e uma versão agitada de “Ceremony” do New Order), não havia nenhuma evidência de ferrugem – ou qualquer problema que tenha ajudado na separação deles. “A primeira música que tocamos juntos foi ‘Always’ e soou bem, imediatamente.” Disse o baixista Mark Hoppus sobre o primeiro ensaio do Blink, em dezembro. DeLonge acrescenta, “As palavras são ‘I want to Love you, hold you, touch you, kiss you, taste you’ que achávamos que seria apropriado.”

Blink – que estourou na cena punk de San Diego nos anos 90 e vendeu aproximadamente 13 milhões de álbuns – estão se empenhando para deixar o preço dos ingressos baixo. O preço geral dos ingressos no gramado estão custando 20 dólares com tudo incluso. “As pessoas têm uma fome de vê-los novamente.” Diz Moss Jacobs, vice presidente do Nederlander Concerts, que está marcando uma data do Blink em Santa Barbara. “Seria de se esperar que os ingressos fossem esgotados em todo o país em grandes anfiteatros que têm, na maior parte deles, capacidade para 20,000.”

Somando ao valor dos ingressos está um elenco rotativo de grandes nomes para abrir os shows, incluindo Fall Out Boy, Weezer, Panic At The Disco, Asher Roth, Taking Back Sunday e The All-American Rejects. “Quando começamos nossa banda, estávamos tipo ‘seria tão incrível conhecer o Blink-182’” Disse Pete Wentz, do Fall Out Boy. Mark Hoppus acrescenta, “Nós queremos tocar para quantas pessoas quiserem ir aos shows, então trabalhamos com os promotores [para conseguirmos os ingressos baratos] e conseguimos isso juntos.”

Ingressos mais baratos não equivalem ao compromisso com o espetáculo: Blink está trabalhando com Martin Philips – o designer visionário responsável pelo show de luzes de pirâmides deslumbrantes do Daft Punk, e também inovou os visuais para Kanye West e Nine Inch Nails – em uma produção de palco envolvendo plataformas móveis que vão se estender até o público, “O que foi muito importante para nós foi levar o palco até os espectadores, para que todos que estão lá possam desfrutar do show.” Explicou Hoppus. DeLonge acrescenta, “Nós queríamos causar mais do que uma sensação de Imax (espécie de telões em 3D). Poderíamos chegar com lasers e sintetizadores épicos, e então a platéia pensa ‘Nossa, é uma coisa do Coldplay.’ Mas depois nós vamos começar a cantar sobre pintos e desligar tudo isso. Nunca se sabe.”

Durante o verão, a banda fará experimentos para o próximo álbum de estúdio que está previsto para o ano que vem. “Nós estamos ansiosos para ter nosso novo material juntos,” Disse Hoppus. O produtor de longa data do blink, Jerry Finn faleceu em agosto, então eles mesmos estão gravando as novas faixas, alternando entre os vários estúdios dos membros. “Uma das nossas novas músicas soa como se tivéssemos mixado Rush com um post-hardcore e umas batidas de drum-and-bass.” DeLonge disse.

A reunião do Blink não significa que eles vão parar de trabalhar com seus outros projetos. DeLonge disse que há um novo álbum chegando da sua banda pós-Blink, Angels & Airwaves; Hoppus continuará trabalhando como produtor para artistas como Motion City Soundtrack; e Barker está finalizando um álbum solo com participações de Lil’ Wayne, Rick Ross e The Game. “Eu comecei esse álbum antes do meu acidente, mas depois eu deixei um pouco de lado.” Disse Barker, “Agora eu estou continuando a fazê-lo. Estou fazendo tudo menos os vocais.”

Os membros da banda estão empolgados para finalmente darem inicio à turnê. “Eu nunca pensei que o Blink pudesse se reunir,” Hoppus disse, “mas agora que nós fizemos isso, é muito purificante, feliz e positivo. Foi realmente um ótimo sentimento andar sobre o palco e tocar com as pessoas que eu cresci fazendo isso.”