" alt="nome da noticia">

4 fatos que provam: Tom DeLonge foi abduzido por ETs

Autor Por Danilo Guarniero em 26/08/2013

3p7sa6

O site Cracked.com publicou um artigo para provar que Tom DeLonge foi abduzido por alienígenas — não que a gente não saiba disso, né! Na verdade, a matéria não passou de uma brincadeira em homenagem ao 66 º aniversário do Caso Roswell, no mês passado. Ainda assim, vale a leitura. A tradução, na íntegra, abaixo:

_

A dramática e repentina mudança de personalidade de Tom DeLonge do blink-182, é um dos maiores mistérios da música moderna, atrás apenas, da verdade sobre o suicídio de Kurt Cobain e da identidade do duende cego, responsável pelos figurinos de Miley Cyrus.

DeLonge saiu de um rockstar bobo, famoso pelas músicas pegajosas e brincadeiras juvenis, e virou um músico obcecado pelo espaço e globalização, tudo em menos de um ano. Há suspeitas de que essa mudança veio logo depois que DeLonge saiu do blink-182 no meio de uma turnê e sumiu da face da Terra durante 10 meses. Eu entrego aqui a única explicação plausível para isso: ele foi abduzido por alienígenas e eles expandiram sua consciência com uma tecnologia celestial, ou então o substituíram por um clone para tentar preparar os terráqueos sobre a chegada deles — como Klaatu em “O Dia Em Que A Terra Parou”. Vou dar um passo adiante e dizer que Tom DeLonge é Klaatu, só que na amigável forma do filme original de 1951, e não no remake de 2008 com Keanu Reeves.

Você acha que eu estou forçando a barra, né? Fique aí enquanto eu conecto os pontos. Prepare-se para ter sua mente explodida.

#4. Tom DeLonge escreveu músicas sobre ser abduzido por aliens e tem uma crença verdadeira nas conspirações de OVNIs 

DeLonge começou sua carreira no blink-182, cantando músicas sobre se masturbar em árvores, ser sodomizado por um caipira e sobre tentar foder um pirata. A música que está mais ligada diretamente com o enorme sucesso da banda é um pop rock polido com umas 50 palavras, e o vídeo mostra Tom DeLonge cagando em um trecho.

A segunda imagem mais sutil de DeLonge nessa época no fim dos anos 90 foi ele correndo pelado pelas ruas de Los Angeles com uma censura nas partes íntimas, como se seu pinto fosse um suspeito da polícia que se negou a assinar o formulário de liberação.

Entretanto, quando perguntado sobre assuntos extraterrestres, DeLonge podia imediatamente divagar sobre isso como Mel Gibson em “Teoria da Conspiração”, falando enfaticamente sobre sua crença nada irônica em conspirações sobre histórias de OVNIs que o alto escalão do Governo americano esconde. Como neste trecho onde ele demonstra sua experiência em 2002, no DVD Urethra Chronicles do blink-182 – porque nada pode demonstrar mais seriedade quando você fala sobre pesquisas de OVNIs do que uma piada sobre uma invasão anal:

Já que eu tenho certeza de que nenhum de vocês vai ter paciência para ver cinco minutos de um cara de 27 anos falando sobre marcianos enquanto veste duas peças de roupas de sua própria marca, vou separar algumas partes importantes. Ele passa a maior parte do tempo no vídeo fazendo aquela coisa que pessoas que não se lembram da história completa que estão querendo dizer, ou então estão tentando preservar a identidade dos envolvidos (nesse caso, parece ser os dois). Ele faz isso se referindo constantemente a uma vasta rede de informações confiáveis chamada “amigos”, sendo que um deles é supostamente tão profundamente ligado à conspiração alienígena, que teve uma conversa mental com um ET visitante enquanto estava sentado em uma mesa dentro de uma instalação do governo. DeLonge está claramente desconfortável nesse vídeo, se mexendo constantemente na cadeira e falando calmamente para o chão como se estivesse esperando que Tommy Lee Jones aparecesse na sala e apagasse sua memória. E esse não é o único trecho – procure “Tom DeLonge aliens” no Youtube e você achará diversos vídeos dele falando sobre isso.

A questão é que esse filho da puta acredita em alienígenas tão fortemente quanto ele poderia acreditar. Ele até escreveu uma música sobre isso, chamada “Aliens Exist”, na qual ele é abduzido por um deles. Alguns anos depois, ele escreveu “Asthenia”, sobre estar preso no espaço e não querer voltar para a Terra — o que na verdade é uma situação que muitos músicos se encontram.

#3. Daí ele misteriosamente sumiu e retornou como uma pessoa completamente diferente 

No auge da popularidade e marketing do blink-182, Tom DeLonge repentinamente deixou a banda, dissolvendo todo o tipo de contato com o grupo, e sumiu dos olhos do público durante a maior parte do ano. Seriamente, ele desapareceu num piscar de olhos, assim o Bruce Willis no filme Looper. O status oficial do blink-182 então, era de que a banda estava em “hiatus indefinido”, um jeito delicado de dizer: “não sabemos que diabos aconteceu com o Tom ou quando ele retornará. De verdade, o cara pulou fora como um feiticeiro nervoso e mudou o número de seu celular.”  Parecia que ele estava puxando um Joaquin Phoenix e sabotando a própria carreira como se fosse uma piada que ninguém mais entendeu.

No entanto, aquele não foi o caso. A razão pela qual Tom DeLonge não se pronunciou e não fez aparições públicas nos 10 meses seguintes da separação da banda, foi porque ele não estava no Planeta Terra. Isso é quando os Wardens de Stella Verse o tiraram diretamente da Califórnia e o jogaram no espaço como Lance Guest no filme O Último Guerreiro no Espaço. Assim como as habilidade do Sr. Lance Guest neste filme clássico, os anos de DeLonge de proselitismo sobre UFO haviam finalmente chamado atenção de algum império extra-terrestre. O que o restante do mundo confundiu era do início da jornada de um homem além dos cosmos. Tom DeLonge não poderia ser incomodado pelo blink-182 já que estava ocupado no tribunal da princesa de Nebulosa do Caranguejo.

Finalmente ele reapareceu na Terra nas notícias da mídia, usando um corte de cabelo bizarro, talvez comum em alguns lugares distantes no espaço.

Sua reaparição seguiu em uma campanha bombástica de blablablás sobre o futuro, fazendo declarações enigmáticas sobre mudar de mundo, e vestindo uma jaqueta com a palavra amor escrita e cantar músicas sobre o fim da guerra e da defessa da paz e unidade. Essencialmente, irradiou de alguma galáxia qualquer que o Sting nasceu e se tornou em alguns meses depois como um homem das estrelas.

Como se isso não foi o suficiente para convencer as pessoas de Tom DeLonge havia sido tomada por visitantes alienígenas em uma viagem transcendental através da quarta dimensão, chamou seus novos banda Angels & Airwaves – “Angels”, sendo seres celestiais, e “ondas”, sendo a média através do qual os terráqueos mortais comunicar com eles. É o tipo de tentativa frustrada de sutileza que um estrangeiro faria, e é, talvez, a um passo de simplesmente lançar um álbum chamado Spacemaster: Tom e as naves espaciais do espaço.

#2. Toda música que ele escreve agora é sobre o Espaço

Falando de falha sutileza, todos os quarto álbuns de Tom DeLonge lançados com o Angels & Airwaves tem uma imagem do espaço na capa, repleta de letras que se concentram em um feliz fascínio com as emoções humanas, aparentemente escritas do ponto de vista de um homem da lua em um cometa que está apenas agora, descobrindo as idéias. É como se tivesse escrito um livro de informações de poesias imediatamente após a ativação de seu chip interno de emoções pela primeira vez, e então lido em voz alta todo o trabalho instrumental do Pink Floyd. DeLonge passou de escrever música pop-punk sobre sexo e masturbação, para escrever um catálogo inteiro de varreduras de músicas do rock progressivo atmosféricas sobre um ser de aspectos intangíveis, em menos de um ano.

Alguns títulos de suas músicas, parecem documentar a jornada Klaatu-esque de DeLonge (“The Adventure”) para trazer uma mensagem ao planeta Terra (“The Gift”), e nos salvar de uma destruição mútua (“The War”, “Behold a Pale Horse”), antes de ser forçado a nos erradicar para o bem maior do universo com seu amigo robô Gort (“Start the Machine”). Outras referenciam sobre o início da era espacial (“The Flight of Apollo”) e um fascínio sobrenatural com corpos celestes (“The Moon Atomic”, “Moon as my Witness”). O ponto é que agora, Tom DeLonge só pensa no Espaço, e ele quer que você saiba disso.

#1. Ele fez um filme sobre o Espaço para documentar a sua experiência

FilmeAvaTomDeLongeAction182

Então, DeLonge passou a fazer um filme sobre o Espaço. O nome do filme é “Love”, e fala de um astronauta preso em uma estação espacial, observando a existência do Planeta Terra e a sua visão fora dele, resumindo a uma existência que excede o nosso conhecimento. Se isso soa familiar, é porque é assunto exato da música “Asthenia”, mencionado anteriormente. Estrelado por Gunner Wright fazendo o papel de astronauta, o que é muito interessanta já que Wright é também, o personagem principal na série do vídeo game Dead Space, que é também um astronauta.

O final do filme é ambíguo, mas parece indicar que Wright transfere sua consciência para um computador coletivo, que contém pensamentos e memórias de toda a raça humana. Isso é o que aconteceu com Tom DeLonge – ele foi levado para a orla do universo, e resgatado por um grupo de alienígenas. Agora que ele retornou para dividir a sua experiência e tentar convencer que todos abandonem suas armas e se juntem à Federação dos Planetas Unidos. É realmente genial – no Dia em que a Terra Parou, o maior enigma de Klaatu, foi de como entregaria a sua mensagem ao mundo inteiro simultaneamente, ao invés de conversar com vários lideres do governo de cada vez, e deixá-los disseminar suas palavras ao seu povo. Tom DeLonge resolveu seu problema – ele e seus alienígenas manipuladores estão usando música e filmes para entregar sua mensagem, que são duas coisas com distribuição mundial imediata (a julgar pela Internet, são também, duas coisas que ninguém se importa). Ele não precisaria perder tempo usando camisetas de urso de pelúcia de presidentes, quando ele pode instantaneamente espalhar sua doutrina galática de amor para qualquer um que queira ouví-la.

A última peça da evidência para silenciar qualquer dúvida, foi uma entrevista que DeLonge deu em dezembro de 2012 para a Spacing Out!, uma entusiasta web série, sobre investigações e notícias sobre UFO’s.

Agora, compare esse video com o outro feito anteriormente da Penishole Chronicles. É como assistir duas pessoas diferentes. Ele fala sobre as mesmas coisas, e até conta uma das mesmas histórias, mas faz isso de uma forma charmosa e se auto-depreciando, o que te desmonta completamente, como se ele estivesse recitando uma anedota dos tempos em que cagava nas calças, ao invés de casualmente nos informar que os discos voadores estão atualmente na órbita solar do planeta Terra. Enquanto que o Tom DeLonge de 2002 murmurava e estava inquieto, o Tom DeLonge de 2012 fala claramente, com autoridade e com mais carisma que Jon Hamm em uma casa de espelhos.

Assim como Klaatu, ele está tentando transmitir uma mensagem crucial ao nosso planeta, se comportando como o cara mais acolhedor do universo. Veja, DeLonge está tentando preparar a humanidade, acalmando e assegurando a todos de que os aliens sempre estiveram aqui, construindo pirâmides e enviando mensangens telepáticas para o Indiana Jones. Então é melhor começarmos este programa e deixarmos de ser um bando de idiotas felizes ou então, robôs de defesa nuclear intergaláticos virão através de um buraco nos destruir.

Para conferir a notícia em inglês clique aqui.