Review do Start The Machine (Tradução)

Autor Por brunobld em 01/07/2008

E aí galera, tempos que não posto no Action182, mas sempre é bom dar as caras por aqui e estarei ajudando de novo com algumas coisas que estão ao meu alcance.

Pra re-começar, traduzi o Review do Start The Machine que o Ultimate-Guitar fez, quem quiser conferir o original em inglês clique aqui.

A banda levou as seguintes notas:

Som: 9
Conteúdo: 9
Produção: 10
Impressão: 9
Média: 9.3

Para ver a tradução do review clique em “Leia Mais”.

Até a próxima, valeu!

Review do Start The Machine (Tradução)

Data de lançamento: 17 de Junho de 2008
O novo DVD da banda Angels & Airwaves dá de uma forma profunda, um olhar intrigante nos frutos e na loucura da banda durante a gravação do álbum We Don’t Need To Whisper.

Som: Provavelmente a parte mais inesperada e satisfatória do DVD novo da banda, Start The Machine, é o show de humildade do vocalista/guitarrista Tom DeLonge. Poucos anos atrás quando a banda lançou seu primeiro álbum, você deve se lembrar de DeLonge ligando o álbum We Don’t Need To Whisper à “segunda vinda de Cristo”. Assim que o DVD termina, no entanto, é óbvio que DeLonge tem alguns arrependimentos e foi meramente a paixão pelo projeto que impulsionou o comentários de “até o topo”.

Várias bandas lançaram DVDs que mostram um show ao vivo épico ou uma biografia geral, mas o Start The Machine dá um olhar profundo no estúdio durante a criação de We Don’t Need To Whisper. Mesmo se a música do Angels & Airwaves não bate com você, o DVD ainda transmite algo que todo músico com uma demo ou um álbum todo lançado pode se conectar: frustração ao conseguir o som perfeito. O álbum We Don’t Need To Whisper foi obviamente a criança de DeLonge e o DVD claramente o mostra trabalhando por horas a fio buscando um riff ou um solo. Os outros membros não são tirados do plano, contudo, cada um tem seu próprio “capítulo” dedicado para o que eles contribuíram no álbum.

Musicalmente, você tem que assistir como idéias de como as partes de guitarra inspiradas no U2 em “The Adventure” tomam forma (o que aparentemente foi inspirado quando DeLonge decidiu não comparecer a um show do Foo Fighters com o intuito de continuar trabalhando no álbum). Ainda mais interessante é o envolvimento do engenheiro da banda, Critter, que criou várias batidas gravando sons aleatórios na sala (pense em armários de arquivos se fechando e caixas de ferramentas batendo). Tudo isso contribui para uma experiência de exibição muito interessante, particularmente se você está procurando algumas manhas da troca em estúdio. // 9

Conteúdo: Se você está esperando por alguns vídeos e/ou shows ao vivo, há alguns clipes (“The Gift”, “The Adventure” e “The War”) incluindos no conteúdo principal. Eles estão editados dentre vários comentários da banda, então você terá que esperar pelos conteúdos bonus para ir direto à música. Junto com mais conteúdos de “por trás das câmeras”, o conteúdo bonus inclue 2 vídeos e 4 pequenos filmes, que são essencialmente mais vídeos dramáticos com algumas imagens bem legais. Na verdade é o conteúdo principal dentro do estúdio que acaba sendo o aspecto mais original sobre o DVD Start The Machine. // 9

Qualidade do Produto: Bem como We Don’t Need To Whisper (e o seguinte, I-Empire), o DVD é suave e lindamente editado. A banda parece ter colocado seu coração no mundo da multimídia, e é tanto romance quanto inteligente. Visualmente, o DVD Start The Machine é extremamente compensador e coloca um ponto alto na qualidade de produção. É também um pouco de pré-visualização do próximo projeto do Angels & Airwaves, um filme chamado I-Empire (há um trailer do filme no DVD). // 10

Impressão: Tom DeLonge criou um nome para si nas notícias pelo passar dos anos, e não é sempre pela maioria das coisas positivas (o controverso fim do Blink-182, comparado ao seu projeto seguinte). Este DVD poderia ter sido uma jogada ruim no papel, mas DeLonge mesmo (e sua banda) prestam um grande serviço ao sairem limpos de seus arrependimentos, sua relação com os ex-integrantes do Blink-182, e sua visão sobre a música em geral. Há uma paixão em Tom DeLonge que é bem evidente em Start The Machine, e isso é algo que nem sempre se vê nesse turbilhão de roqueiros com suas atitudes “não estou nem aí”. Você sai vendo que We Don’t Need To Whisper foi realmente um trabalho de amor, e para aqueles que eram apoiadores acíduos de Travis Barker e Mark Hoppus, o ponto de vista de DeLonge é trazido à tona um pouco mais. // 9

Traduzido por Kevin // Action182.com