Podcast Hi My Name Is Mark – Episódio #1

Autor Por Danilo Guarniero em 05/12/2014

height_338_width_600_overlay_PODCAST-ART1400
 

Como você viu aqui, o podcast do Mark, Hi My Name Is Mark, que foi produzido entre 2005 e 2006, está de volta! E o primeiro episódio já está no ar. Você pode assinar o podcast via iTunes clicando aqui (é gratuito!). Vamos fazer um resumão dos assuntos abordados aqui.

Você pode ouvir o primeiro episódio do podcast abaixo. Só dar o play!

Para marcar o retorno, o Mark gravou o primeiro episódio falando sobre as coisas que ele fez desde que o podcast parou (aquela coisa: disco do +44, blink-182 voltou, lançou CD, lançou EP, turnês, turnês, turnês, etc), sobre as coisas que está fazendo agora independentemente e também com o blink-182, entre outras coisas. Ele nos mostra, também, uma banda chamada Hop Along.

Confira os destaques:

Sobre poltronas

Mark falou sobre a nova poltrona que a Skye, sua mulher, adquiriu. Ele odiou e pediu para mandarmos tweets para @skyehoppus pra convencê-la a se desfazer do móvel.

SKYe_s-horrible-chair

Sobre o que vem por aí com o blink-182

Hoppus sabe muito bem que os fãs querem saber o status do novo disco do blink-182. Ele comentou que era pra começar a ser gravado logo depois que eles voltaram da turnê europeia esse ano, quando tocaram também no Reading & Leeds Festival. Mas como o Tom estava com muitas coisas do Angels & Airwaves (que levaram mais tempo do que o esperado), DeLonge queria dar uma descansada antes de voltar com tudo para o blink-182. Antes que comecem a culpar o Tom por qualquer coisa, o Mark mesmo disse que isso não é motivo para apontar culpados. O baixista, no entanto, disse que está 100% pronto para o blink-182.

Também foi dito que o blink-182 assinou um contrato com um parceiro (como o Tom também tinha dito aqui), mas ele comentou que não é exatamente um selo ou uma gravadora, é algo um pouco diferente disso.

Sobre trabalhar com o McBusted e ter um encontro constrangedor

Mark Hoppus co-escreveu duas músicas para o disco de estreia do McBusted. Uma delas, “Hate Your Guts”, já está disponível (como você já ouviu aqui).

Ele comentou como essa parceria aconteceu. Foi após ele ter conhecido o Dougie Poynter (McFly, McBusted) e eles terem saído para almoçar. Depois, eles marcaram de se encontrar mais uma vez. Mark disse que foi estranho a partir daí, porque fora estar no estúdio ou trabalhando, ele não costuma “sair” junto com outras pessoas, principalmente homens, então foi um daqueles momentos constrangedores mas eles viraram bons amigos.

(Mark, talvez tenha sido constrangedor porque vocês decidiram dar um passeio de barco, apenas os dois, em Londres).

man-date1

mandate2

Mandate3

Sobre a música que o Mark compôs com o All Time Low

O Mark passou um tempo no estúdio trabalhando com o All Time Low. Ele fez uma participação especial em uma música inédita da banda chamada “Tidal Waves” e espera que dessa vez eles usem a faixa no CD.

Nota: na época que o ATL lançou o disco Nothing Personal, Hoppus compôs uma música que foi deixada de lado.

ATL1

ATL2

Mark Hoppus apresenta: Hop Along

Para finalizar o episódio, e como já é de costume desde a época do podcast em 2005/2006, Mark Hoppus apresentou uma nova banda e entrevistou os membros dessa banda via telefone.

Neste episódio, Mark nos apresenta o trio Hop Along, que conheceu através do Chad Gilbert, guitarrista do New Found Glory, enquanto apresentava o Alternative Press Awards esse ano. Mark descreveu o som como algo estranho e classificou como “grunge-folk”, com uns elementos esquisitos, guitarras às vezes realmente altas e elementos pop e grudentos em outras partes.

Para ouvir/comprar o CD do Hop Along, Get Disowned, que foi lançado em 2012, basta acessar o Bandcamp deles neste link.