Nada pode impedir Travis Barker de tocar bateria

Autor Por Danilo Guarniero em 29/07/2016

041811-barker-20

No livro de Travis Barker, o baterista contou como superou muitas dificuldades para correr atrás do seu maior objetivo: tocar bateria. A morte de sua mãe o impulsionou a fazer isso para sempre. Como ele mesmo conta, não era um objetivo, mas sim seu destino. Ele começou a se tatuar por todo o corpo para nunca mais conseguir empregos normais. Daí, nada o impediu de tocar.

Bom, quase. Pelo menos enquanto temos registros, houve duas vezes que Travis não foi capaz de tocar com o blink-182 e foi substituído por Brooks Wackerman (Bad Religion). A primeira delas foi em 1999, na Warped Tour em NY. Não se sabe o motivo, porém Barker não pôde tocar (apesar de aparecer ao lado assistindo tudo no vídeo que você vê abaixo).

Além do Brooks, outros bateristas ajudaram a cobri-lo nesse dia: Damon (Fenix TX), Josh (the Vandals) e Byron (Pennywise).

Em 2013, o blink-182 fez uma turnê na Austrália e Travis Barker não iria conseguir acompanhar por uma questão de logística (todo mundo sabe que ele não voa mais de avião e acabaram não conseguindo agendar um itinerário de balsa/ônibus que desse certo). Assim, lá foi Brooks Wackerman acompanhá-los por uma temporada na Austrália.

Fora essas ocasiões, nem mesmo um acidente de avião fez Travis Barker desistir de tocar – e a gente agradece. Outros pequenos problemas como um pé ou braço quebrado jamais impediram que ele fizesse o que nasceu para fazer. Listamos abaixo algumas das nossas apresentações favoritas onde Barker mostra seu talento mesmo machucado. É como diz aquele ditado: “nobody cares, go harder”. Com ele, “drums, drums, drums” não é brincadeira.

No começo da turnê de 2016, primeiro show, Travis disse que estava com uma intoxicação alimentar, mas iria tocar de qualquer maneira, nem que isso significasse soltar fluídos não-agradáveis enquanto tocava – se é que você entende. Mas vendo qualquer vídeo desse dia você apenas consegue ver um Travis Barker sendo ele mesmo. Nem parece que poderia vomitar a qualquer momento.

Droppin hammers in San Diego last night with @blink182 📸 @fog.again #DrumsDrumsDrums #SanDiego #ThankGodForPunkRock

Uma foto publicada por travisbarker (@travisbarker) em

Por uma boa parte de 2004, Travis Barker se apresentou com uma das pernas quebradas – ele machucou o tornozelo saindo do ônibus, como contou em entrevista antes de tocarem no Pepsi Smash (onde, inclusive, ele tocou nessa condição também). A perna machucada foi justamente a que ele usa para o bumbo, então teve que usar a outra, o que não é uma tarefa tão fácil quanto parece.

E se prestar atenção, até nessa clássica apresentação do blink-182 tocando um tributo ao The Cure no MTV Icon Travis usa outra perna para tocar (na entrevista é possível ver ele com uma das pernas em uma tala).

Também no programa do Letterman, porém agora com o +44. (temos uma compilação com todas as vezes que os membros do blink-182 tocaram por lá, acesse aqui)

Quando o +44 se apresentou no AOL sessions, Travis tocou usando apenas uma mão também. Caso você queira assistir todos os vídeos dessa performance, nós separamos tudo aqui nesse link!

Ou então as clássicas vezes que Travis tocava “No It Isn’t” com o +44 usando apenas uma mão e a outra usava para fumar um cigarro. Dá até pra perceber que ele toca a caixa da bateria com o pé direito na ausência da mão (a partir do meio da música).

_

Quer saber mais sobre a vida do nosso baterista favorito? Compre agora a biografia de Travis Barker, escrita por ele mesmo e traduzida para o português pela Edições Ideal.