Mark Hoppus e Pete Wentz falam sobre colaboração em “Almost Alice”

Autor Por Danilo Guarniero em 13/03/2010

Leia abaixo a tradução de mais uma entrevista com Mark Hoppus e Pete Wentz, dessa vez para o site IGN Music, falando um pouco sobre a colaboração na trilha sonora de “Alice In Wonderland”, com a música “In Transit”.

DSC_6018b_1_1268358057

11 de março de 2010 – “Almost Alice”, o álbum da trilha sonora do filme “Alice no País das Maravilhas” de Tim Burton, conta com uma faixa de Mark Hoppus do Blink-182, e Pete Wentz do Fall Out Boy, um par interessante, pra ser exato. Nós tivemos uma conversa com os dois companheiros para descobrir como a música “In Transit” saiu.

“Eu e Mark saíamos algumas vezes, obviamente, já que nossas bandas fizeram turnês juntas, e aí nós estávamos na Austrália e nos encontramos. O Blink estava voltando e nós fizemos a turnê, e foi tipo, “eu gosto de sair com esse cara,'” Wentz disse. Ele acrescentou que a motivação para ele não era tão simples assim, “Ter a chance de ao menos ver alguém que você admira e ter a chance de ter uma pequena parte naquilo é muito legal. E com o Mark foi tipo, ‘Eu estou trabalhando nisso, quer me ajudar?'”

O modo com que os dois se envolveram com o Almost Alice foi similar. “Eu ouvia um monte de coisa sobre esse filme estar saindo, e Tim Burton estar envolvido, e Johnny Depp estar nele; eu estava bem animado,” Hoppus disse. “E meu empresário me ligou um dia e disse, ‘Ei, você estaria interessado em escrever uma música para o CD Almost Alice que vai sair com o filme?’ e foi uma pergunta fácil de responder, pra mim.”

“Sou um fã de Alice no País das Maravilhas desde criança. O nome do primeiro álbum do Blink é Cheshire Cat. Fazer parte disso é uma grande honra.”

Hoppus explicou como Alice influenciou a faixa que os dois fizeram. “Há temas de achar em você mesmo e como as pessoas vêem você, e como você pode ficar perdido no seu próprio mundo. Acho que ‘In Transit’ é sobre como cada um tem seu próprio mundo. Você olha para as outras pessoas e tem suas idéias delas; elas olham pra você e têm as idéias delas sobre quem você é, e todo mundo meio que existe dentro de sua própria realidade. É sobre viver sozinho em um mundo cheio de gente.”

“E quem você é, é uma mistura de todas essas coisas. As percepções de ambas as partes,” Wentz adicionou. “Não só quem você pensa que você é, ou quem eles pensam que você é.”

Sobre as faixas do Almost Alice Wentz disse, “Eu gosto da faixa do Robert Smith, só porque eu sou um grande fã dele. O Mark é um grande fã dele há mais tempo provavelmente, mas essa foi a que se destacou pra mim.”

“Eu gostei da faixa do Motion City Soundtrack, e não só porque eu acabei de produzir o novo álbum deles que está nas lojas agora,” Hoppus disse. “Achei a música do All Time Low muito boa.”