Mark fala sobre o novo álbum do MCS.

Autor Por Danilo Guarniero em 31/07/2009

Em uma conversa para a MTV americana, Mark Hoppus, Justin Pierre e Joshua Crain (Motion City Soundtrack) comentam sobre o novo álbum da banda, que foi produzido pelo próprio Mark e irá se chamar “My Dinosaur Life”. Leia a tradução dessa matéria:

O baixista do Blink-182, Mark Hoppus, está em um rolo. Ele faz parte da reunião de uma das maiores bandas da década passada; criou os octodrives; lançou uma turnê que tem tudo pra dar certo; e trabalhou com algumas bandas com futuro no negócio (All Time Low e Motion City Soundtrack).

Sério, o cara é multitarefa.

Então, semana passada, quando a MTV estava em Las Vegas para o início da turnê do Blink, ele decidiu que deveria entrevistar o Motion City Soundtrack – a banda que abriu a noite, e que trabalhou com ele anteriormente – porque, você sabe, ele pode!

Claro, nós deixamos ele fazer isto – e no fim, ele foi muito bem. Tão bem, que ele fez os caras do MCS revelarem o título secreto do próximo álbum da banda (que Hoppus produziu), usando um truque velho que nós jornalistas profissionais usamos.

“Eu trabalhei com eles e produzi o novo álbum deles, que é chamado My Dinosaur Life,” Hoppus disse imediatamente. “É assim que ele vai se chamar?”

“Acho que sim,” Respondeu o líder do MSC, Justin Pierre, meio pasmo. “No momento nós temos algumas conversas sobre os nomes This Dinosaur Life, My Dinosaur Life, This Is My Dinosaur Life, His Dinosaur Life, Her Dinosaur Life, Their Dinosaur Lives. Mas eu prefiro My.”

“Eu acho que My é bom,” Hoppus palpitou, “Podemos confirmar agora? My Dinosaur Life.”

E estava confirmado. Então, depois de fazer a banda revelar um segredo que estava sendo bem guardado, Hoppus voltou a tentar tirar outra informação da banda: Talvez fazendo-os dizer algo chocante do novo álbum? E novamente, ele conseguiu.

“Eu acho que é um álbum incrível,” O guitarrista Joshua Crain disse. “É definitivamente um passo adiante. Não que o Commit This to Memory seja um álbum ruim, eu amo aquele álbum. Eu apenas sinto que nós fomos um pouco mais agressivos nesse.”

Entusiasmado, Hoppus partiu para matar.

“Como foi ter dois momentos que marcaram a história do rock na carreira de vocês,” ele perguntou, claramente preparando a armadilha. “Commit This to Memory e My Dinosaur Life – são quase tão grandes quanto o Nirvana?”

“Palavras não podem expressar isso.” Pierre disse. “Sabe, parece bom. Um dia, com uma ajudinha, vocês chegarão lá.”

O que podemos dizer? Hoppus é um profissional. Há alguma coisa que ele não possa fazer?