[LISTA] 5 curiosidades sobre o “Flyswatter”, primeira demo do Blink

Autor Por Danilo Guarniero em 24/08/2015

Blink182-Flyswatter1992

Para quem curte as listas do Action182 (eu gosto!), uma ótima notícia: elas estão de volta! Caso você tenha perdido alguma, não se preocupe, é só clicar aqui e ver todas.

Buscando aqui ideias para listas novas, pensamos em fazer uma série de posts com curiosidades e fatos sobre cada disco do blink-182. Então, para começar, falaremos sobre o “Flyswatter“, com alguns fatos sobre esse primeiro lançamento do Blink (ainda sem o 182 no nome). Nos comentários, você pode apontar alguma curiosidade que deixamos de citar ou então dar ideia para próximas listas, são sempre bem-vindas!

Foi gravada na casa de Scott Raynor

Mark-Hoppus-e-Tom-DeLonge-no-início-de-tudo
 

Flyswatter foi a primeira fita demo lançada pelo Blink, em 1993. A qualidade do áudio não é das melhores, porque ela foi gravada no quarto do primeiro baterista da banda, Scott Raynor, através de um antigo gravador de quatro canais diretamente para a fita. Os três tocaram juntos ao mesmo tempo (ao contrário de como são gravados os discos geralmente, com cada instrumento sendo captado de cada vez) e gravaram essa demo sem nenhum tratamento, mixagem ou qualquer coisa do tipo. Atualmente é uma gravação histórica pelo tamanho que a banda alcançou, mas eles tentavam se afastar um pouco dessa demo pela baixa qualidade. Mark Hoppus chegou a dizer em uma entrevista, em 1996, “acredite em mim, a gente conseguia soar pior do que hoje em dia.” 

Todas as músicas próprias nessa demo são cantadas por Tom DeLonge

 

Flyswatter tem 8 faixas, das quais somente duas têm vocais de Mark Hoppus e, na verdade são covers. Essas músicas são: “The Longest Line”, do NOFX, e “Freak Scene”, do Dinosaur Jr. Já as outras 6 faixas são todas músicas próprias do blink, com vocais de Tom DeLonge: Reebok Commercial, Time, Red Skies, Alone, Point Of View e Marlboro Man (que foi escrita como “Malboro Man” na arte da fita, por algum erro ou propositalmente). Algumas dessas músicas foram gravadas em qualidade melhor em demos posteriores.

A arte da capa foi feita por Mark Hoppus

Não somente a gravação foi feita de forma extremamente caseira, como a própria capa foi feita à mão pelo próprio Mark – que também foi quem deu o nome para essa fita demo. Todos os créditos, nomes das músicas e até a indicação de preço e endereço foram feitos por ele à caneta. Na parte da frente, existe algumas linhas que acabam formando a letra “A” estilizada em vermelho, à frente de um fundo completamente azul. Por curiosidade, após esse lançamento do Blink, todos os outros discos de estúdio viriam com uma letra do alfabeto na capa ou pelo menos no próprio nome do CD, em ordem (leia mais sobre isso aqui).

7418584_orig

Foi lançada pela gravadora chamada “Fags In The Wilderness Records”

 

Em português, podemos traduzir o nome da gravadora como “Bichas no deserto” (?) Na verdade, esse selo não existia de verdade e foi criado na brincadeira por Mark na hora de escrever o encarte da fita.

Tom DeLonge vendia durante o intervalo na escola

Na época do lançamento dessa fita demo, os integrantes do blink ainda estavam na escola. Tanto que o primeiro show deles foi justamente no intervalo da escola do Tom, em uma época que era muito difícil deles conseguirem tocar em casas de show de verdade em San Diego, por serem menores de idade e não poderem entrar em grande parte delas. Além disso, DeLonge também vendia a fita demo para amigos e pessoas interessadas durante os intervalos das aulas na escola. Mal imaginavam essas pessoas que estavam adquirindo cópias de uma raridade hoje em dia!