Leis do Bom Convívio

Autor Por Fernando Belucci em 13/08/2009

O quanto vale uma amizade? Quais são as obrigações dela? Aliás, existem obrigações?
É sim um assunto complexo, pelo menos para os dias de hoje. Pegamos-nos nessas frases: “olhe o lado dele” “Será que ele achou chato isso?”.
Na época distante de anos, não era assim. Amizade era alguém que pode contar. Alguém que vai lhe contar qualquer coisa que for melhor pra você e você fará tudo também. Mas atualmente é comum mesmo as tais Amizades Unilaterais: aquela que você se mata pela pessoa e quando espera o mesmo de volta ouve algo do tipo: “Desculpe, mas não dá, tenho que fazer algo” ou pior: “ele é mais amigo meu”.
Sou do tempo que a idéia era resolver problemas, não olhá-los de certa distância segura e deixar feder. Claro, não iremos pular na frente de balas, mas há sempre o que podemos fazer pra ajudar.
Amizade é o relacionamento não-familiar mais duradouro que um ser poderá ter, depende só dele mesmo. Um namoro de um ano é grande coisa, uma amizade de um ano é quase nada, por isso sempre falamos: “Nos conhecemos faz uns meses, mas parece mais tempo!” Podemos ter milhares de amigos e ao mesmo tempo só podemos ter uma namorada, um casamento (de acordo com as leis monogâmicas e monoteístas). Fora isso, é traição. Amigos reais e leais sempre perdoam, por mais aja merda no ventilador. Relacionamento às vezes nem começar começa com confiança. E há traumas. Amizades falhas nos fazem ver como somos superiores: “é um idiota, ajudei ele pacas e o cara quer me ferrar”, relacionamentos falhos: “mas tudo era tão bom… Por quê?” Tentamos ver onde erramos, e na amizade ligamos o “foda-se” e falamos: eu sou assim, e pronto.
Sabemos que o perdão poucas vezes funciona nesse mundo. A maioria desses pedidos vem anteriormente de tudo acontecer de novo… As mesmas pessoas, os mesmos problemas. A palavra perdão não vale de nada se não vem acompanhada de atitude e mudança.
Não deveria haver níveis de amizades, só no Orkut. Amizade é amizade, pronto, acabou! Somos todos racionais? Que sentemos e resolvemos as coisas… Somos amigos? Melhor ainda! Pena que não é assim… Sempre tem retardados suficientes pra criar uma discussão por você falar algo… Existem idiotas sempre esperando algo pra eles entrarem e gritarem: “Você está falando merda!” Bem, é direito de cada falar a merda que bem entender, e saber que opinião não é universal, graças a Deus. Não concordou? Fale! Não basta falar? Ache um muro e dê de cabeça. Criar discussão não te mostra mais inteligente (apesar de muitos em algumas colunas atrás pensar assim).
Amizades e racionalidade é a chave do mundo. É estúpido ver pessoas se degladiando num mundo onde a lei deveria ser olhar para trás e vermos quantas cagadas os nossos antepassados já fizeram. “Ninguém é melhor que eu, eu não sou melhor que ninguém”. Esse é o lema. De resto é só manter o respeito (“dig dig dig”).
Semana que vem tem coluna e será sobre música, guardem as facas ou as levantem de vez, como diria uma música: “Hipocrisia não é mais cinismo, eu chamo de multi-lateralismo”.
Aliás, me add no twitter: @fernandobelucci. É propaganda, eu sei.

Fernando Belucci tem 24 anos, estuda Jornalismo, é  escritor e roteirista de quadrinhos, um blog de contos… Espera não ofender muita gente, só espera. E acha que discussões são sempre bem vindas se essas vêm acompanhadas de conteúdo.