John Feldmann, atual produtor do blink-182, fala sobre o novo disco

Autor Por Danilo Guarniero em 03/03/2016

Blink-182 John Feldmann

John Feldmann, que atualmente está trabalhando no novo disco do blink-182, deu uma entrevista para a FUSE contando como está sendo essa experiência ao lado de Mark Hoppus, Travis Barker e Matt Skiba. Confira abaixo a entrevista completa.

Siga o Action182 no Twitter para receber em tempo real todas as atualizações sobre o novo disco do blink-182: @action182 :)

. . .

Como está sendo trabalhar no novo disco?
Eu tinha uma tarefa em mãos. É uma nova versão do Blink, então não pode ficar igual Alkaline Trio. Mas também não pode parecer como se fosse uma banda cover de Blink com Matt Skiba tentando soar como Tom DeLonge e eu tentando recriar algo. Precisava ser algo que entre numa nova fase, mas que mantenha o legado, porque eu amo o Blink. Eu quero essa diversão deles. Minha esposa disse hoje mais cedo, “quando eu penso no Blink, penso em sair para me divertir, festejar e ir a um grande show.” Manter essa essência por ela ser uma fã, eu quer manter isso. Está sendo uma ótima experiência, bem positiva.

Você é um cara que ama bateria. Como é trabalhar com Travis Barker?
Sou um grande fã de bateristas. Eu vi o Stewart Copeland [The Police], que é um dos meus favoritos, ano passado. Ele é um cara mais velho. Depois de trabalhar com o Travis, acho que ele pode ser o melhor baterista que já existiu. John Bonham [Led Zeppelin] era incrível. Ele era fantástico. Dave Grohl, mesmo quando toca com o Queens Of The Stone Age, você sabe que é o Dave. Mas o Travis tem essa coisa por amar tanto o hip-hop. Eu pergunto pra ele “se você estivesse numa banda eletrônica, o que faria pra fazer este refrão explodir?,” e ele toca exatamente o que eu tinha na minha cabeça. É bem bizarro. A forma como ele pode transitar entre os estilos de forma impecável; sair de uma música bem punk rock e fazer uma ponte que você nem ia imaginar que é dubstep… na minha cabeça, quando eu o escuto tocando eu só penso “que porra é essa?”— ninguém consegue fazer isso. Ninguém faz o que ele faz.

É uma via de mão dupla. Ele ama hip-hop e essa comunidade o apoia.
Ele é parceiro de vários desses caras – Dr. Dre, Eminem, Kendrick Lamar… todo mundo. É louco.

Faz tempo que você conhece o pessoal do Blink?
Blink abriu para o Goldfinger em 95 no Troubadour [Los Angeles]. Fizemos também uma tour com eles, SnoCore, que era uma coisa do Kevin Lyman, fundador da Warped Tour. Acho que foi em 97; era uma turnê de snowboarding. Nós eramos os headliners, o Reel Big Fish vinha atrás e então o Blink. Eles eram a banda de abertura. Foi uma turnê de três semanas e eu passei um tempo com eles. Foi antes do Travis entrar. O Aquabats abriu para o Goldfinger em uma turnê com o Save Ferris e o Travis, que era baterista deles, vinha trocar ideia com a gente no ônibus. Eu tinha conhecido o Travis em Riverside. Ele estava com a fantasia que ele usava no Aquabats dando moshs e entregando flyers do Aquabats, grande promotor. Naquela época ele era um adolescente andando com a gente. Quando eu comecei a namorar a minha esposa em 96 ou 97, lembo que ela estava na estrada com a gente, então a gente conhece o Travis há uns 20 anos.

Trabalhar com o blink-182 parece ser fácil. Você os conhece bem.
Eu não tinha conversado com nenhum deles em 12 ou 13 anos e nunca tinha trabalhado profissionalmente com eles. Somos parte das mesmas bandinhas pop-punk dos anos 90. Eu idolatrava o Jerry Finn, que foi o único produtor que eles tiveram durante toda a carreira. Tenho certeza que parte dessa facilidade de trabalhar com eles vem de eu ser mais como um amigo do que alguém que eles olham como mentor ou parceiro. Eu sou provavelmente quatro ou cinco anos mais velho que esses caras, então vingou muito bem.

_

John Feldmann é vocalista da banda Goldfinger. Ele também é produtor e já trabalhou em diversos discos de sucesso, do rock ao pop. (leia mais sobre ele aqui)