Front Magazine entrevista Mark Hoppus – Parte II

Autor Por nath em 31/05/2012

Leia abaixo a continuação da entrevista que a revista Front realizou com o Mark Hoppus (confira a primeira parte clicando AQUI):

 

Você ouve coisas estranhas tipo “Hey! Billie Joe!” ?

As pessoas sempre falam “Tom! Tom!”. Recentemente, em New York, um cara disse “Você está no Blink-182!”. Eu respondi “Sim, obrigado” e ele perguntou qual deles eu era. Respondi que eu era o Mark e ele perguntou “Oh, qual deles é esse?”. Eu não sabia como explicar.

Seu filho vai crescer com sotaque Britânico?

Acho que ele já está crescido o suficiente pra saber que ele não vai escolher um sotaque. Mas eu estou aprendendo a chamar as coisas por diferentes nomes. Por exemplo, aqui em Londres, quando você diz que está indo ao toalete, isso soa muito rude para mim. Nos EUA, se você pergunta a alguém “Onde fica seu toalete?” você pode também dizer “Onde fica o assento que eu sento para defecar?” – é basicamente isso que você está dizendo, enquanto aqui você está apenas perguntando onde fica o local onde isso acontece. Ou se aqui você diz “Onde fica o seu banheiro?” as pessoas imaginam coisas como “Você quer tomar banho na minha casa? Vocês não pode tomar banho aqui”.

Tem alguma coisa que você se recusa a deixar entrar no seu vocabulário?

Recuso-me a dizer “pop in”. Minha esposa vive falando e eu a odeio por isso. Não serei parte disso, não mesmo.

Tem também todo aquele lance de parecer meio pateta também…

O que eu aprendi da maneira mais difícil. Sabe aquelas mochilas que você bota ao redor da sua cintura? Pois é, se você perdir por uma pochete aqui, eles vão rir de você.

Você está numa banda que utiliza muitos palavrões. Você tenta não utilizar tantos palavrões perto do seu filho?

Meu confronto com ele e palavrões é que ele vai falar e eu não vou me enganar fingindo que ele não vai. Expliquei a ele mais ou menos assim: na aula, você presta atenção, ouve sua professora e se comporta de uma certa forma. Quando você sai, você pode correr e dar cambalhotas. Palavrões são assim – existem situações em que é legal usar e outras em que não é, e o truque pra ser um ser humano é aprender isso. Dito isso, ele me perguntou: “Então como você fala “foda-se” na frente de 10.000 pessoas?”. Na idade que ele está, ele já começa a entender piadas de pinto. Tinha um comercial na TV num outro dia que dizia “Colete todas as bolas”. Ele começou a rir e apontar pra TV e virou pra mim dizendo: “Huh? Entendeu? Bolas?”. Esse foi o meu momento de maior orgulho como pai. Senti que tocha havia sido passada.

Quando ele for um adolescente, ele vai te irritar com as escolhas musicais?

Provavelmente. É um ciclo, você tem que odiar o que seus pais amam. Outro dia, dirigindo por LA, uma música do Blink-182 veio na rádio. Eu disse “Olha só, Blink-182 na rádio!” e ele respondeu “É, é legal, mas vocês não estão no meu top 3”. Ele gosta de Metric, Vampire Weekend e Silversun Pickups. Ele é um pequeno hipster.

Você fará 40 anos este ano. Você está ficando MUITO VELHO.

Eu estava com medo dos 30 e, então, aconteceu e eu pensei “Eu sou o adulto mais novo aqui, estou chutando a bunda de todo mundo”. Acho que completar 40 anos me torna a pessoa mais velha-jovem do mundo. É um território desconhecido, especialmente para alguém cuja identidade é sobre meus anos de faculdade. 40 é uma grande incógnita.

Você algum dia vai parar de achar graça nas piadas sobre peido?

Eu acho que não. Tudo na vida se resume ao estado de espírito. Eu tenho feito piadas sobre pinto desde que eu era uma criança. Eu nem me vejo não achando um peido engraçado. E todo mundo acha engraçado alguém levar um chute nas bolas.

Então, você está desfrutando de um gin conosco hoje…

Eu sou um entusiasta do gin, sim. Inicialmente, eu estava bebendo vinho do porto, até que, uma noite, tudo que eu podia encontrar era gin que havia sobrado de uma festa ou algo do tipo. Eu misturei com Coca Diet, pois foi tudo que eu encontri. Estou amando isso agora. Na última tour, nós tomávamos muito Jagermeister também. Após os shows, depois que tudo estava empacotado, eu e equipe destruíamos uma garrafa de Jager.

Você tem algum ritual pré-show?

Cerca de uma hora antes de entrar no palco, eu tomo um drink, me alongo e aqueço minha voz. Daí, 10 minutos antes de entrar no palco, eu tomo outro drink e escovo meus dentes – acho que a refrescancia da pasta de dente abre partes da minha garganta ou algo do tipo, é tudo completamente psicológico. Nos abraçamos, fazemos high-fives e corremos para fazer o show. Sempre tem uma pasta de dente e uma escova no camarim, caso eu esqueça.

Você pede alguma coisa estúpida pro seu camarim?

Nós costumávamos pedir filmes pornôs com lésbicas em cada local. Apenas uma corrente de bom gosto do lesbianismo. Conforme você segue em frente, você percebe que tudo que você bota no seu camarim, vem do seu bolso. Se você está comandando um show, todo dinheiro vai para um pote e você paga por equipe, segurança, luzes, som, produção, tudo. Toda a comida que se come no backstage, tudo no seu camarim vem desse pote. Você pode botar o que você quiser no seu camarim, você simplesmente irá falir. É tipo “Vá em frente, destura o seu quarto no hotel, você está pagando por isso”. Quebre tudo por lá e eles vão te cobrar em conformidade.

Você entra em turnê em junho. Tem alguma mais alguma coisa que você queira fazer?

Eu só quero que as pessoas gostem de mim. Eu realmente me esforço.