Entrevista Mark Hoppus – pickRset – Tradução

Autor Por brunobld em 09/09/2008

O Ton postou essa nóticia há alguns dias. E aqui está a tradução.  Mark fala sobre +44, Blink-182, Jerry Finn e até dá uns conselhos sobre produção.

“Outros planos para o resto do ano? Quando fãs podem esperar ver você na estrada?
Eu tenho uma idéia para uma coisa que eu estou trabalhando. Pergunte-me em três semanas.”

Olá Mark. O que te inspirou para iniciar sua carreira de produtor?

O Blink182 trouxe o motion city soundtrack para a turnê da Europa há alguns anos atrás. Enquanto nós estávamos na estrada, nos tornamos bons amigos dos caras da banda. Josh Caim e eu passamos muito tempo nos shows falando sobre os instrumentos musicais de gravação, e de tudo. Eu sempre fui fascinado com a gravação nos aspectos da música e, ao longo de todos os anos  eu comecei a comprar todos os tipos de guitarras, amps, equipamentos de gravação, tudo. No último show, eu acho que foi em paris, ele entrou no camarim e perguntou se eu estaria interessado em produzir seu próximo álbum. Eu não tinha nunca sequer considerado produzir alguma coisa antes desse momento, mas eu amava a música deles e pensei que eu poderia trazer algumas boas idéias para o estúdio, e eu estava honrado de eles me querendo sendo parte disso, então eu disse “sim”. Alguns meses mais tarde fomos a um estúdio aqui em Los Angeles e começamos a trabalhar no cd “commit this to memory”. Isso foi uma grande experiência. Todos tiveram um milhão de idéias, muita energia e entusiasmo para fazer uma grande gravação, então eles se trancaram em sua Casa/estúdio de gravação por seis semanas para colocar seu coração e alma no cd. Eu realmente gostei de estar do outro lado dos instrumentos para variar. Ajudando a descobrir e moldar suas idéias em um cd. É bom mudar as coisas, de músico e compositor para produtor isso ajuda a manter meus pés no chão, e me mantém inspirado. Toda vez que eu trabalho com uma banda eu aprendo algo que me dá idéias para minha própria música.

Quais são os melhores trabalhos de produção que você viu em álbuns em toda sua carreira?

Toda vez que nós gravamos nossa própria música, tanto no Blink-182 ou no +44, eu sempre volto e escuto a música Pet sounds do Beach boys. As harmonias vocais e as idéias nesse cd são fenomenais. O final de “feeling this” do último cd do Blink foi muito influenciado pelos Beach boys. Eu também gosto da produção do cd “dark side of the moon” do Pink floyd, os Beatles, e, naturalmente, ao incrível trabalho de Jerry Finn. Praticamente tudo que eu aprendi sobre produção, foi com Jerry. Ele era o melhor.

Quais álbuns você tem mais orgulho de ter produzido em toda sua carreira?

Hmm. Essa é uma questão difícil de responder. Estou orgulhoso de todos por diferentes razões. Talvez a melhor maneira de responder, é me referir a alguns deles e dizer aquilo que eu gosto em cada um. Primeiro o cd do  Moution city soundtrack. Quando começamos, eles tinham grandes coisas e milhões de incríveis idéias e tentamos colocar todas essas idéias em 12 músicas. No inicio do processo, algumas das canções começavam com um instrumento sozinho entravam os vocais começando e depois eles iriam correr a todo vapor para o final da música. Então o desafio nesse cd foi ajudá-los a abrir um pouco suas músicas. Nós sempre falávamos “as músicas precisam respirar…” assim nós trabalhamos muito e com muita disposição no cd do MCS. Descobrir quais partes e instrumentos precisavam aparecer em cada ponto, para conduzir as canções em frente e mantê-los dinâmicos. Justin e Josh são grandes guitarristas e, mesmo quando todas as partes que gravamos estavam quase completas, eles entravam na sala de controles com “heey Tenho outra arranjo para a guitarra ou outra idéia para o vocal dessa música…” e eu tinha que contrariar “nah, cara, está música já está praticamente pronta, ela vai ficar sobrecarregada, já tem muita coisa em curso, isso vai confundir a seção”. Então nós argumentávamos um pouco sobre como manter o sentido da música e ter certeza suficiente de que a canção ficaria melhor, todos nós gostaríamos, sem chocar e ficarmos falando uns ao outros o quanto nós somos bons. : ) Mas sério, essa é a melhor parte do processo criativo, eu ter que melhorar as idéias. Quando uma idéia passa pela mente de várias pessoas ela se torna mais do que era antes. Essa é o jeito de se seguir no estúdio quando existem conflitos. As pessoas têm idéias para as canções, quando todos colocam a mão sobre ela e trabalham, a idéia original se torna algo especial isso é o meu trabalho no estúdio, tornar tudo maior do que a soma de suas partes. De qualquer forma, depois de 6 semanas todos os caras vivendo juntos em dois quartos de uma casa com estúdio, criaram um belo e honesto cd. As letras do Justin são brutalmente verdadeiras.
Depois o álbum do socratic, eu amei devido à vasta gama de influências sobre ele. Eles estão com esta sensibilidade musical “old-school”. Apenas ao ouvir aos seus demos você pode perceber toques de tudo desde folk, reggae e até rock americano dos anos 70. Nós gravamos todo o cd com um mix de instrumentos e amps, juntamente com modernas guitarras. Cada canção inicia com uma abordagem diferente para a instrumentação. Todos eles são super participativos, até mesmo seu baterista entrou na sala de controle dizendo “não você não pode usar essa corda porque ela tem sétima elevada, e isso vai colidir com a corda ressonando aberta a partir do piano…” o que está muito além do meu léxico musical. Eu iria dizer “hum essa parte soa mal…” esta é uma das minhas partes favoritas, pessoas realmente têm o dormido durante a gravação e isso é uma vergonha, porque as canções são muito boas. Essa banda deve ser muito maior do que eles.
O último exemplo que eu vou colocar aqui é a gravação do nfg que nós acabamos de finalizar. Essa é uma banda de que eu sou fã e amigo há muito tempo. Depois de dois anos, como um ouvinte, parecia que eles estavam à deriva, não que as músicas fossem fracas, mas talvez apenas faltasse foco. Não posso explicar depois de alguns meses eu recebo uma chamada do Chad sobre trabalhar no novo cd deles. Nós nos encontramos no estúdio e ele trouxe um Ipod com vários demos muito acidentados, a partir do minuto que ele entrou pela porta você poderia dizer que esta era uma banda totalmente nova, eles tinham terminado o acordo com sua gravadora antiga e estavam muito entusiasmados com sua música. As faixas ainda era new found glory, mais com uma nova intensidade deles. Eles queriam sair para abalar. Assim nós fomos traçando o que pra mim é o melhor cd do nfg até agora. Nós trabalhamos muito para chegar à perfeição, guitarras, grandes baterias, baixos edgy, e o Jordan está cantando mais forte do que nunca. Agora tenha em mente que o nfg já gravou muitos álbuns. Este não é de forma alguma o primeiro churrasco deles. Por isso foi tão legal gravar um álbum com várias caras que definitivamente tenham um som, definido na mente, ao qual querem alcançar, mesmo assim eles queriam orientação de alguém que confiassem. Tratava-se mais de uma colaboração, embora houvesse diferenças às vezes. Geralmente quando nós começamos a planejar, tinha um ou dois membros com opiniões diferentes e definitivas sobre o que deveria e o que não deveria acontecer. No nfg, quatro ou cinco membros se apegaram em suas opiniões, e quando os outros estavam manifestando as suas dizendo o que gostaram ou o que não gostaram, os outros continuavam trancados. Eu tinha minhas idéias e Chris Holmes as suas, e isso deixou as coisas um pouco quentes nos momentos dentro da sala de controle. Mas isso funcionou completamente. Naqueles momentos de discórdia e vozes altas, as músicas realmente vieram juntas, e eu acho que isso nos mostra através da música. Esse é um ótimo álbum. Quando tivemos a combinação da primeira faixa, todos nós fomos ao chão, é sério, eu mal posso esperar para as pessoas ouvirem esse cd.
Ah sim e o The matches, eu gostaria de falar deles também, mesmo que eu só tenha produzido 3 faixas para eles, foi uma ótima experiência. Gostaria de poder ter feito mais. Eles foram os mais criativos e inovadores caras com quem já gravei. Nas 3 faixas que fizemos foi uma espécie de dance dos anos 50, uma foi um rock sobre ter frio numa praia, e a última foi experimental, um tipo de guitarra eletrônico-pesada. Eu ainda não estou convencido de que Shawn é deste planeta. Ele só está aqui, mais vive em seu próprio mundo, e de alguma maneira isso faz sentido com as músicas. Tem muito mais do que eu poderia falar, mais acho que eu respondi sua pergunta, espera ai, qual foi a pergunta?

Quando você é abordado por bandas, você exige algum tipo de critério para aceitar produzir seus álbuns?

Não em todos. Eu costumo escutar as demos, e se eu gostar das canções e pensar que posso trazer alguma coisa para melhorar esse projeto, eu estou dentro, a música é só o que importa para eu tomar minha decisão. Não a gravadora, não quais músicas foram gravadas antes, não o que qualquer um pensa da banda. Apenas as canções sozinhas.

Que tipos de expectativas você tem com você mesmo para assumir o papel de produtor?

Aqui o que eu tento fazer como produtor. Tento ajudar, definir e destacar os elementos que compõe cada canção e tento ajudar uma banda a evoluir suas idéias em um álbum coeso. Algumas músicas precisam de muito trabalho, e algumas são perfeitas antes mesmo de chegar até mim. O truque de ser produtor é saber qual é qual. Também tenha em mente que as bandas trabalham duro para escrever suas músicas, e elas são como seus filhos, eu sempre tento respeitar isso. Muitas vezes quando você fala “essa parte realmente não está funcionando” você está falando sobre uma música que alguém ficou meses fazendo e tem uma forte ligação. É fácil capturar sentimentos, mas quando uma banda pede para eu produzir as sua música pra eles, eles estão pedindo minha opinião, de forma que eu estou sempre 100% honesto sobre o que penso. Eu chego com orelhas limpas e tento ouvir às músicas de forma objetiva. Em seguida temos a gravação, temos divergências e eu vou dizer o que penso e defender o que me parece funcionar ou não. Eu não tenho sempre razão. Eu vou dizer o que pensou e, depois, alguém terá um ponto ou vamos tentar seguir minha idéia e isso seria tipo “wow isso é muito legal, que grande idéia.” e eu vou tomar o crédito de ter a idéia, em primeiro lugar. : ) Mas a sério, o maior ponto que eu tenho em mente é que qualquer decisão que seja tomada, a banda tem a última palavra. Sempre. O cd é deles a música é deles, e eu estou lá simplesmente para oferecer minhas idéias e opiniões. Como o Jerry sempre disse “o nome da banda é o grande na frente do cd, e o meu é o pequeno atrás.” Esse é o meu trabalho lá, ajudar a obter grandes sons, trabalhar com as idéias e partes, mediar individualmente e manter eles na linha, e espero ajudar a banda a criar um álbum muito melhor do que o esperado. Eu tento fazer do estúdio um encorajador laboratório musical, onde todos podem falar o que tem na mente e se sentirem apoiados para experimentar qualquer tipo de músicas que puderem imaginar. Se a parte não funcionar tão bem e tivermos que recomeçá-la ou refaze-la pelo menos pudemos testá-las. Isso é o que tento fazer como produtor. Ah, e eu normalmente coordeno a encomenda dos almoços, ao menos digo a alguém para fazer isso. Coloque isso à parte, Aqui estamos nós em um estúdio de ponta para todas as bandas que estão por ai, eu realmente acho que posso ajudá-los em uma gravação. Quando os músicos estão no estúdio planejado ou escrevendo, eles se colocam lá. Como eu disse antes, nós seguramos nossas idéias e canções queridas, nós trabalhamos nelas por muitas horas, as letras são pessoais para nós, quando alguém diz “não gosto de sua guitarra nessa parte” é como um atentado à nossa criatividade. Naturalmente, as pessoas ficam na defensiva. Tenho visto comunicação quebrada tantas vezes simplesmente pela maneira que o comentário foi recebido. Quando você tem algo a dizer, diga essa parte por ela mesma, não a pessoa que escreveu ela, como se você estivesse falando que ele (ou ela) apenas cantou, e tente evitar “Eu não gosto da maneira que você cantou essa parte” e usar “há algo nessa parte que não está bom” tendo apenas tirado o lado pessoal isso melhoram muito, acreditem. Então você pode salvar as criticas pessoas pra quando você realmente quiser machucar os sentimentos de alguém. : ) (cara, tem DOIS smileys na mesma resposta, não é legal, desculpe).

Como você ficou com o Koopa? E o que fez você e Chris ficarem interessado em produzir seu álbum?

Eles chegaram por fora e me enviaram alguns demos. Eu gostava do que eles estavam fazendo então eu disse sim, e eles vieram para LA e fomos ao estúdio por algumas semanas para colocar tudo junto. Eles são realmente uma boa banda. Apóiem-nos.

Qualquer outro projeto depois do álbum do nfg? Você considera produzir álbuns de gêneros que você é menos experiente, como metal ou hardcore?

Absolutamente. Existem duas bandas pesadas que talvez eu trabalhe em um futuro próximo, dependendo do tempo. Eu realmente quero trabalhar com diferentes gêneros, aumentar meu próprio pensamento e composição. É por isso que eu sempre procuro trabalhar com bandas diferentes do que aquilo que eu trabalhei no passado. Se eu só trabalhar com um tipo de “dieta Blink-182” essas bandas vão se queimar muito rápido, por isso é que eu sempre evito esse tipo de projetos. Não é um mau caminho, mas se eu quero gravar algo que soe como Blink, eu vou escrever sozinho, não é?
Qual têm sido o maio desafio(s) que você enfrentou e como você superou isso?

Acho que o maior desafio é apenas balancear todos os diferentes projetos e lidar com o tempo de tudo. Desde o +44, o qual produzo e co-escrevo, as produções e tudo mais. Existe muita coisa acontecendo e pouco tempo para fazer tudo. Meu primeiro amor é escrever música, e eu tenho que manter isso como minha prioridade, mas justamente com eu estou prestes a começar algo, aparece um projeto que realmente me interessa e eu tenho que tomar a decisão do como eu vou gastar meu tempo. Conseqüentemente eu tenho várias idéias para músicas salvas na minha cabeça. Às vezes eu ligo para o Chris e deixo uma mensagem de voz só com eu tocando violão para eu saber qual caminho seguir com essa idéia que eu não quero esquecer.

Alguma memória que te fez “dar a língua” para alguma dessas diferentes bandas ao longo dos últimos anos?

Em cada gravação chega o ponto em que as faixas mudam de um monte de partes gravadas e se torna uma música. Elas tomam vidas sozinhas. Sei que soa extravagante, mas é verdade.

Existe algum álbum que você quis ter a chance de produzir?

Eu gostaria apenas de poder ter sido uma mosca na parede durante uma das gravações dos Beatles. Só para ver como tudo aconteceu. Todas aquelas incríveis canções, a química entre os quatro membros da banda que criaram esses álbuns atemporais.

Outros planos para o resto do ano? Quando fãs podem esperar ver você na estrada?

Eu tenho uma idéia para uma coisa que eu estou trabalhando. Pergunte-me em três semanas.

Unicórnios realmente existem? Existe alguma prova?

Unicórnios não existem, eles partiram meu coração.