Entrevista exclusiva com Isaac Rentz, diretor de “Up All Night” e “After Midnight”

Autor Por brunobld em 08/12/2011

Com muito prazer e honra que entrevistamos exclusivamente o cara da vez dos vídeos do blink-182. Isaac Rentz, nascido no Japão e criado no Arizona, dirigiu e editou clipes de bandas como Motion City Soundtrack, Cage The Elephant e Manchester Ochestra (que já abriu o show do blink-182).

Nesta primeira entrevista de duas, Isaac conta aos fãs detalhes do clipe de Up All Night, e me prometeu a segunda parte especialmente para falar sobre o clipe de After Midnight. A entrevista você encontra traduzida logo abaixo:

Olá Isaac, é um grande prazer te entrevistar e poder dar aos fãs de todo o mundo um pouco mais de informação. Muito obrigado!

Como surgiu a oportunidade de dirigir um clipe do blink-182?
A gravadora da banda me mandou a música e me pediu algumas idéias. Eu a ouvi umas 100 vezes e sempre imaginava crianças frustradas num mundo sem pais. Parecia se encaixar na música, que tem um desfalecimente bem pesado, mas também uma melodia que soa um tanto melancólica e solitária.

Você foi o diretor, mas quem fez o roteiro? Foi uma colaboração com a banda ou foi escrito por você?
A banda foi bem liberal ao deixar que eu sugerisse uma idéia minha. Eles fizeram algumas mudanças depois que leram o roteiro, mas foram bem fiéis. Eles já fizeram muitos vídeos e o Tom, em particular, entende muito sobre filmes, então eu fiquei surpreso com a liberdade que eles me deram.

Os vídeos do blink-182 fizeram parte da sua adolescência? Caso sim, eles influenciaram na sua carreira ou na gravação de “Up All Night”?
Durante a adolescência, eu não tinha permissão para assistir MTV, mas eu fugia para a casa dos vizinhos de vez em quando para assistir a video clipes durante horas. “All The Small Things” e “What’s My Age Again” eram dois dos meus favoritos. Eles tornaram o fato de crescer num subúrbio americano parecer mais divertido e libertador do que realmente era. Muitas das minhas bandas favoritas – Beastie Boys, The Cure, Beck – pareciam que existiam em um universo totalmente diferente, mas o blink-182 parecia com os caras que viviam na minha vizinhaça.

Eu tenho certeza que, subconscientemente, isso afetou o modo como eu me aproximei da gravação de “Up All Night”. Eu queria que os garotos parecessem reais, não como modelos de Hollywood. Propositalmente, tentei escolher jovens que pareciam com meus amigos durante a minha adolescência.

O vídeo de “Up All Night” pode ser comparado com algum outro vídeo do blink-182? “Feeling This”, talvez?
Eu não quis fazer referência a algum vídeo antigo, mas eles já fizeram milhares de vídeos, então eu tenho certeza que as pessoas vão encontrar alguma semelhança com o que eles já fizeram no passado. Aliás, o meu vídeo favorito do blink-182 é “First Date”, mas seria estranho ver o Mark tocar no meio de uma vizinhaça de subúrbio pós-apocalipse vestindo shorts curtos.

Como foi a seleção das pessoas que apareceram no vídeo?
Cerca da metade do elenco era menor de 18 anos e a outra metade era maior, já que Los Angeles tem regras sobre filmar com menores após a meia-noite. Os atores estavam muito animados sobre o fato de que eles estavam completamente desinibidos. Eu sempre surgia com coisas cada vez mais estranhas para eles fazerem e eles nunca questionavam. Teve uma hora que eu falei para um dos atores correr sem camisa pela rua enquanto batia em carros com uma caixa de correio quebrada e ele disse, “devo tirar minhas calças também?”

Como Mark, Tom e Travis se sentiram ao gravar outro vídeo clipe após sete anos?
Eles estavam extremamente gratos e foi muito fácil de trabalhar com eles. Eles parecem uma pequena família bizarra, com toneladas de piadas internas, mas também levam a música muito a sério e queriam ter certeza de que o vídeo ficaria satisfatório. Ficar bem ao lado do Travis enquanto ele está tocando é uma experiência maravilhosa. Eu fiz ele gravar mais do que realmente precisava só porque eu queria ver ele tocando de novo.

Falando sobre a parte técnica, quais câmeras, lentes, iluminação e materiais você usou para gravar o vídeo?
Você pode falar aos alunos de cinema do Brasil que nós gravamos esse vídeo em uma câmera Alexa com lentes que custam mais que o meu carro. Também iluminamos a vizinhança inteira com uma lâpada enorme em um guindaste de 50 pés (aproximadamente 15 metros).

Tem alguma curiosidade ou algum fato divertido que aconteceu no set que você possa nos contar? Afinal, eles são o blink-182!
Foi uma noite surreal, porque, literalmente, 30 metros à frente, Kanye West e Jay-Z estavam gravando o vídeo deles para “Otis”. Então, entre as tomadas, nós íamos assistir aos seus Maybach dando cavalos-de-pau e depois, eles vinham nos ver botando fogo na rua. Teve uma hora que o Jay-Z pegou um carrinho de golfe e checou toda a carnificina.

O que você acha do fato do Brasil nunca ter assistido a um show do blink-182 e, ainda assim, ter um dos maiores fansites do mundo sobre a banda?
Isso é verdade? Se eu estivesse numa banda, eu daria como certa uma passagem da turnê no Brasil, porque eu amo comida brasileira. Blink-182 não sabe o que está perdendo!

Mais uma vez, muito obrigado pela oportunidade, nós desejamos muita sorte na sua carreira e talvez, a gente se encontre no Brasil alguma dia. Por favor, deixe uma mensagem para os fãs e diga-lhes o que podem esperar do próximo vídeo (After Midnight).
Obrigado! O próximo será totalmente diferente. Realmente grande e cinematográfico, mas de uma maneira completamente diferente. Espero que todos gostem!

Você pode conhecer mais trabalhos do Isaac clicando aqui, ou visitar o site oficial do diretor.

Entrevista: Bruno Clozel
Tradução: Nathalia Araújo