Entrevista com Tom e fotos do AvA!

Autor Por brunobld em 05/11/2008

Finalmente sinal de vida e mais entrevista do mestre. Na última sexta-feira, foi publicada uma entrevista com Tom DeLonge para o 24 Hours, onde ele falou um pouco sobre o direcionamento dos fãs de Blink para o AvA, sobre a preparacão pré-show, da banda, e sobre política. Para ler a tradução da entrevista clique em Leia Mais.

E as fotos são de um show do Angels And Airwaves em setembro, no Madison Square Garden, em Nova Iorque. Vale a pena conferir!

Veja as fotos aqui!

24 segundos com o Angels And Airwaves

Ganhando fama como membro do trio de pun pop imensalmente popular, Blink 182, Tom  DeLonge atualmente encara seu mais recente projeto alternativo, Angels And Airwaves, que está em tour nesse outono com o apoio de Weezer.

24: Há algum ritual pré-show que vocês, como membros da banda, passam por?

TD: A gente costumava fazer muito mais do que fizemos agora, mas depende da quantidade cafeína que a gente toma e o tipo de música que nós tocamos muito alto. Essas duas coisas têm que estar presente em todos os shows; punk rock tocando muito alto e muito Red Bull.

24: Há algum tipo de superstição, como “um ensaio ruim significa um show bom”?

TD: Meu ensaio é que eu não gosto de ver a multidão antes de um show, então eu nunca vou lá para ver quem está presente ou como é o lugar, ou quão animados eles estão – eu gosto de ser surpreendido quando subo no palco. Qualquer coisa que esteja lá, é empolgante.

24: Quando você formou a nova banda, você esperava ter alguns “restos” do Blink 182 ou você achou que talvez o passado seria esquecido e esses seriam fãs completamente novos?

TD: Eu acho que quando comecei eu achei que teria alguns “restos”. Eu estava continuamente surpreso em ver quão difícil era começar tudo de novo mas estava sempre disposto a trabalhar muito; como sempre trabalhei. Isso me fez apreciar todas as coisas que eu não apreciava antes ou não lembrava. Na última banda, tudo era tão sólido e louco, eu acho que você se cansa um pouco. Eu era tão novo e nós estávamos só correndo por aí fazendo qualquer coisa, e agora eu aprecio cada passo.

24: Você têm apoiado os Democratas. Você é politicamente ativo ou só um típico americano que acha que vocês têm que mudar as coisas?

TD: Eu sou, definitivamente, como a maioria dos americanos que querem que tudo seja diferente. Eu era muito politicamente ativo durante a última eleição presidencial e apenas um vagabundo, como a maioria das pessoas eram, quando John Kerry não ganhou, então eu não fiz muita coisa nessa outra, além das duas pessoas que eu disse que, para presidente, as melhores são Obama e Biden. Eu disse Biden há 8 anos. Eu vi o Obama fazendo seu grande discurso na última convenção onde todo mundo disse, “quem é esse cara?” Ele deu poder para as pessoas e deu um simplório impacto no Bill Clinton e John Kerry, então eu estava lá quando todo mundo o notou pela primeira vez. Eu era um grande fã de Biden, então agora que eles estão juntos é bom que funcione, ou estou me mudando para o Canadá.

24: Algumas pessoas podem dizer que rockstars devem apenas agitar e não se politizar.

TD: Bandas e suas músicas sempre foram um veículo para comunicar ao mundo ao seu redor e eu acho que quando as pessoas conseguem entender isso e digerir o mundo um pouco diferente, às vezes quando bandas fazem isso eles não fazem da melhor maneira e desligam as pessoas de suas ambições políticas. Eu acho que funciona para alguns músicos, e para outros não.

Entrevista em inglês

Nathália Behne @ Action 182