blink-182: 20 anos em 20 fatos – Flyswatter e Buddha

Autor Por Márcio Medeiros em 11/08/2012

Mark, Tom e Scott. Essa era a formação da Figure 8 ou Duck Tape, como eles se chamavam. Mas logo DeLonge sugeriu o nome blink, por se tratar de um verbo de ação rápida, no caso, piscar. Nessa época surgiu também o mascote da banda: um coelho. Algo que também foi pensado: um vocalista, com isso, Tom poderia tocar riffs mais complicados, porém ele descartou essa ideia pois não gostaria de escrever uma música e não poder cantá-la. E já no início eles já faziam suas próprias músicas e já pensavam em gravar a primeira demo.

Em 1993, Raynor conseguiu uma mesa de gravação com quatro canais e em seu quarto, o trio gravou oito músicas, entre covers e músicas próprias na demo Flyswatter. Esse nome não significa nada mas, para Mark, tinha uma sonoridade legal. E o próprio baixista desenhou a capa da fita. Com esse material, a banda começava a sua caminhada em busca de produtores, casas de shows, imprensa e até mesmo gravadoras, visto que a Fags In The Wilderness Records foi inventada por eles. Tom fez algumas cópias da fita e hoje em dia ainda é possível encontrar algumas no eBay.

Com a Flyswatter, o blink conseguiu seus primeiros shows. Após isso, eles gravaram uma segunda demo, que não ajudou tanto a banda, mas eles já tinham começado a fazer seu nome por San Diego. O Spirit Club e o The Dungeon eram alguns dos locais das apresentações do blink. Esses eram palcos anteriores ao SOMA, um dos principais locais de shows da cidade e que também começou a receber a banda.

Nesse tempo, o trio conseguiu ajuda de Pat Secor, chefe de Mark, dono de uma loja de discos e que colocou a banda em um estúdio de verdade e em uma gravadora de verdade: a Filter Records. Com essa estrutura, surgiu a demo Buddha, que continha todas as músicas que eles tinham escrito até aquele momento. A capa foi mais uma vez feita por Mark e um amigo da banda no quintal da casa de Scott. O Buda da arte foi um presente do padastro de Hoppus.

A demo Buddha abriu muitas portas para o blink. A fita era vendida nos shows e em algumas lojas de disco. O SOMA passou a receber a banda como atração principal e a vender todos os seus ingressos nos shows do trio.

(Esse vídeo é de 1995, pouco menos de dois anos depois do lançamento de Buddha.)