blink-182: 20 anos em 20 fatos – Angels & Airwaves e +44

Autor Por rutinha em 22/08/2012

Com o “hiato indefinido” do blink-182, Mark, Tom e Travis focaram toda a sua atenção nos seus novos projetos. Primeiramente, Mark Hoppus e Travis Barker formaram o +44. Mais tarde, no mesmo ano, Tom DeLonge anunciou a sua nova banda, o Angels and Airwaves. A formação das duas bandas acabou se tornando um fato muito importante para os fãs, que puderam acompanhá-los após a separação e principalmente para os três, que puderam amadurecer como pessoas e como profissionais.

+44

Pouco mais de um mês após a divulgação do ‘hiato indefinido’ do blink-182, Travis Barker e Mark Hoppus anunciam o novo projeto eletrônico chamado +44, que segundo eles “começou no porão do Travis”. A banda era inicialmente composta pelos dois, o guitarrista Shane Gallagher (The Nervous Return) e a guitarrista e vocalista Carol Heller (Get The Girl), que deixou a banda mais tarde. O guitarrista Craig Fairbaugh (Transplants) entrou depois para completar o grupo.

A origem do nome +44 (pronuncia-se plus forty-four) é uma alusão ao código de ligação telefônica internacional do Reino Unido, local onde Mark e Travis falaram sobre a banda pela primeira vez.

Em outubro de 2005, Mark e Travis compraram um estúdio e passaram a trabalhar exclusivamente nesse local, podendo finalmente gravar as amostras de cada música. Com o passar do tempo, a banda foi mudando de estilo e acabou perdendo o aspecto eletrônico que tinha no início, e acabou se tornando um dos motivos da saída da guitarrista e vocalista Carol Heller, que também pretendia formar uma família e precisava de tempo e dedicação. A saída de Heller do grupo foi tranquila, ela teve apoio dos integrantes e não houve nenhum ressentimento.

Em novembro de 2006, o primeiro e único álbum da banda foi lançado pela gravadora Interscope Records, o “When Your Heart Stops Beating”, que obteve boas posições nas paradas mundiais, inclusive com o single que leva o mesmo nome.

O When Your Heart Stops Beating carrega músicas com letras profundas, sentimentais e que se referem ao término do blink-182, como No It Isn’t, lançada na internet no dia do aniversário do Tom DeLonge (13 de dezembro). Trechos melancólicos como “por favor entenda, isto não é só um adeus, isto é um ‘eu não suporto mais você’,” definem bem o relacionamento entre os ex-integrantes da banda e o processo de separação.

Mark Hoppus:

“O álbum do +44 é, de longe, o que mais possui letras pessoais que eu já compus, tudo que eu tinha dentro de mim em um CD. Esse é o álbum mais pessoal que qualquer um de nós já escreveu. Você quer saber quem nós somos, o que nós pensamos e sentimos? Ouça o CD do +44.”

A banda atualmente está inativa. Em janeiro de 2009, em uma entrevista para a MTV norte-americana, Mark não confirmou e nem negou que a banda tivesse acabado. Um mês depois, o músico disse para a Alternative Press que todas as suas energias estão concentradas no blink-182. Em março do mesmo ano, Mark concedeu outra entrevista dizendo que o +44 deve continuar e afirmou que ama Shane e Craig, e que eles são grandes guitarristas e grandes amigos. Hoppus também disse que amaria fazer outro disco com eles.

Angels & Airwaves

Aproximadamente sete meses de silêncio sucederam a notícia da separação do Blink, então, Tom Delonge anuncia a formação do seu novo grupo, Angels and Airwaves, e promete fazer ‘a maior revolução do Rock’n’Roll’. Em sua primeira entrevista desde o anúncio do hiato, Tom se mostra hiperbólico em relação ao AVA (abreviação de Angels and Airwaves e também o nome da sua filha), falando sobre o filme que pretendiam lançar e dizendo que em dois anos seriam a maior banda do mundo.

Em uma entrevista à revista Kerrang!, Tom comentou sobre o começo da banda:

“Assim que acabou toda a confusão do blink-182 quando estávamos na Europa, tive uma visão muito estranha. Meu coração estava batendo muito rápido durante três semanas seguidas de um jeito que nunca tinha acontecido antes. Eu senti como se eu tivesse sido tocado por algo e tinha que fazer algo concreto.”

A formação inicial do AVA era composta por Tom no vocal e guitarra, David Kennedy (Hazen Street, Boxcar Racer) na guitarra, Ryan Sinn (The Distillers) no baixo e teclado e Atom Willard (The Offspring, Social Distortion) na bateria. Mais tarde, os integrantes Ryan e Atom saíram do grupo, em 2007 e 2011, respectivamente, e deram lugar aos atuais Matt Wachter (30 Seconds to Mars) no baixo e IIan Rubin (Fenix TX, Denver Harbor, Lostprophets, Nine Inch Nails) na bateria.

Em 23 de maio de 2006, o primeiro álbum da banda, We Don’t Need To Whisper, foi lançado. Ele estreou em quarto lugar na lista da Billboard, com vendas que ultrapassaram 127.000 cópias.

O segundo álbum da banda, entitulado I–Empire, foi lançado em 6 de novembro de 2007, estreando em nono lugar na lista da Billboard com mais de 66.500 cópias vendidas, obtendo uma boa aceitação por parte da imprensa e recebendo boas críticas. Segundo Tom, a revolução musical que ele pretendia começar com a banda estava acontecendo.

Após uma pausa em seus shows durante o ano de 2009, – período em que DeLonge esteve trabalhando com o blink-182 após o fim do hiato – a banda voltou a trabalhar em seu terceiro álbum de estúdio, LOVE. O álbum foi disponibilizado gratuitamente para download no dia 14 de fevereiro de 2010 (dia dos namorados nos EUA). Durante as primeiras 48h de seu lançamento, LOVE foi baixado cerca de 500.000 vezes, tornando-se o álbum mais baixado por meio da internet, em toda a história. O primeiro single do disco, Hallucinations (com mixagem de Mark Hoppus), foi lançado ainda em dezembro de 2009 através do Modlife. Sua continuação, LOVE II, foi lançada no dia 1 de novembro de 2011. De acordo com DeLonge, a segunda parte do projeto acabou ficando melhor que a primeira.