AvA fala sobre Modlife e sobre o futuro!

Autor Por Márcio Medeiros em 21/12/2008

Qual foi a idéia geral quando vocês lançaram o Modlife?

Atom: O Modlife meio que uniu tudo o que possui o MySpace, YouTube, Facebook , e até mesmo eBay, onde você pode fazer preticamente o que quiser com seu website. Assim, lhe apresento Tom DeLonge…

Tom: Nós somos muito ambiciosos com essa banda, e queremos fazer coisas diferentes, como filmes e diferentes tipos de mídia. Nós queremos construir uma base para os fãs com a qual possamos interagir. Então, quando o Modlife foi criado, não queríamos apenas ter conversas com nossos fãs, ou disponizar broadcasts. Isso nos deu a possibilidade de ter ferramentas para fazer tudo, desde uma pequena foto à algo maior como pay-per-view. É uma cápsula que armazena todas as coisas com as quais nossa banda está envolvida. É definitivamente uma benção, e uma ferramenta que nos desafiou em vários aspectos. Eu tenho orgulho disso. Eu amo isso, e honestamente, não posso pensar em nenhum outro site que eu preferiria fazer. Websites estão tornando-se complicados, e agora, é preciso ser econômico. Modlife não é só econômico, como tem tudo que você precisa. Continuará crescendo tanto quanto as ferramentas disponíveis para as bandas permitir.

Vamos um pouco mais a diante: na teoria, Modlife não é muito diferente dos websites de relacionamento como aqueles que você mencionou, e Last.FM. Qual é a diferença do Modlife?

Tom: Há algumas coisas diferentes no Modlife. Ele oferece um sistema de operações com recursos para os artistas que o usam, que podem se conectar ao vivo, vender suas própria música, colocar vídeos, fotos, pay-per-view, salas de bate-papo… Aquilo tudo que tem em sites.

David: E é realmente super fácil para o usuário. No MySpace e o resto, geralmente ocorre uma desconexão, já no Modlife, é tão simples quanto um clique no botão, literalmente, e o site é carregado. Para nós nos conectarmos, tivemos dificuldade por algum tempo, devido à fã clubes antigos, que nos levaram a usar MySpace ou Facebook. Para nós, é tão simples quando nos conectamos instantaneamente com as pessoas sem falhar. Como Matt, por exemplo, que está em outro nível com computadores…

Matt: Eu sou esperto.

David: E eu sou aquele cara que não sabe fazer nada além de checar os emails. E você pode perceber que eu tenho conseguido fazer certas coisas, e faço tudo no Modlife. Isso é um grande avanço para os artistas.

Tom: Isso é para os artistas. Para os fãs, que têm seu próprio site; não só uma página, e sim um site completo que além de os ajudar a comunicarem-se em tempo real com amigos, cria um espaço individual onde é possível distribuir o que quiserem no sistema. Então, é bem diferente do MySpace e Facebook. Há um componente de rede social, que ajuda o sitema pela primeira vez a dar aos artistas a habilidade de conectarem-se de diversas maneiras, e inovarem sempre; assim, têm o controle sobre suas próprias carreiras, e sobre o crescimento da arte.

David: Nós não podemos mais depender de outras corporações para investir em nossa banda. Nós temos que encarar a realidade, e o Modlife nos permite criar um mundo onde não ficamos comprometidos com outras pessoas. Isso nos dá mais liberdade.

Essas são parte das razões pelas quais vocês decidiram cobrar dos consumidores pela música, até mesmo por vídeos, podcasts, etc? Isso é pouco convencional, sendo que a maioria das bandas de hoje em dia fornecem tudo gratuitamente.

Tom: Isso depende da banda. Se uma banda escolhe abrir um site no Modlife e usa seu sistema de operações, ela pode escolher como usá-lo. É possível distribuir tudo de graça, ou apenas algumas coisas, como cobrar por apenas alguns eventos, festas, etc. Existem muitas maneiras de conseguir dinheiro com isso. A questão é que depende da banda.  Somente com o que conseguimos com o site do Angels and Airwaves, fomos capazes de financiar o filme do I-Empire. Agora é algo maravilhoso. É um recurso que nunca existiu, que nos permitiu pagar por um longa metragem, e que em nossas mentes, aprofundou as ambições da banda. Essa foi a coisa mais artística e desafiadora que fizemos, e mostra aos fãs o valor da banda, da música, e de nossa mensagem.

Atom: É aí que a frase ‘faça você mesmo’ entra. Pois é uma maneira de fazer o que você quer fazer, criar sua arte, e se expressar sem formas convencionais, como vender suas gravações. A venda de cds não é mais como antigamente, bandas que costumavam depender disso para fazer uma turnê, gravar músicas novas e outras coisas, já não existem mais.

O que você está dizendo é que o Modlife, na verdade, cria um novo e estável sistema de divulgação para as bandas? Até mesmo para as bandas menores?

Tom: Sim! Absolutamente.

David: A idéia é colocar o dinheiro de volta no seu negócio, você pode sair e fazer shows de dois dólares, ou até mesmo shows de graça. Se você cria seu próprio mundo, você tem seu próprio dinheiro. Nossa idéia foi como, “E se uma gravadora nos desse dinheiro, e nós pudéssemos divulgar nossa banda, o que faríamos com esse dinheiro?” Bem, nenhuma gravadora fez isso, definitivamente, ninguém chegou com cheque e disse “Vamos, divulgue sua banda como quiser”. Assim, nós estávamos sempre à mercê de como eles divulgariam nossa banda. Então, tentávamos descobrir um modo correto de investir nosso dinheiro em divulgação. Já não existe mais nenhum dinheiro vindo de gravadoras para divulgar alguma banda. Nós estávamos tentando criar um bom lugar para colocar nosso dinheiro, e ao mesmo tempo continuar com nossas idéias sobre o que gostaríamos de fazer. Ao final de tudo, as coisas custam caro. Custa muito caro desenvolver um site, fazer filmes. Você tem idéia do quanto custa só para fazer o chat, as modcams e todas essas coisas? E nós tentamos montar um ambiente muito legal, para o qual as pessoas dessem valor.

Tom: Se você perguntar para alguém que conhece o site, a resposta será que esse é o melhor site em a pessoa já esteve, o melhor site de banda em que já esteve, e que para isso, o dinheiro foi gasto da melhor forma possível.

David: Isso se tornou uma comunidade, e as pessoas começam a criar seus próprios círculos sociais…

Tom: O fato é que o Angels and Airwaves tem que trabalhar para fazer o melhor uso de seu dinheiro. Quando uma banda abre um site no Modlife, e não interage nele, nem se conecta com os fãs, as pessoas passam a pagar por nada, e a culpa passa a ser da banda. O Modlife dá as ferramentas, e tudo o que é necessário. Quando colocamos alguma foto, ou vídeo, escolhemos se isso estará disponível gratuitamente, ou não. Está à mercê da banda. Ela pode usar as funções do Modlife como quiser. E é muito empolgante.

Vocês acham que o Modlife será capaz de ‘corrigir’ a indústria da música?

Tom: Com certeza. Isso é enorme, e conforme cresce com o tempo, pode ter dez vezes mais importância do que a venda dos álbuns. Isso não acontecerá agora, mas pode acontecer. Eu acho que no futuro, isso será exatamente do que as bandas precisarão: sua própria forma de usar o Modlife. Divulgação, vendas, eventos especiais, pay-per-view, e espero que tudo isso junto.

David: Esperançosamente uma banda poderá se sustentar sem precisar de uma gravadora. Assim que uma gravadora descobre que você não tem nenhum valor, ela o passam para trás. E é estranho para algumas bandas, porém, essas não têm a possibilidade de se manterem sozinhas.

Tom: Nós tentamos fazer com que tudo desse certo no primeiro álbum, e não deu. A gravadora não podia pagar por isso.

David: E não podemos chegar à Austrália agora. É como se estivéssemos aqui agora, e não tivéssemos dinheiro para chegar na Austrália. Então queremos criar nosso próprio negócio, sem depender de mais ninguém. Assim, poderemos verdadeiramente fazer o que quisermos, sem a influência de ninguém. Espero que as pessoas queiram fazer parte disso tudo.

Atom: Ultimamente, não é apenas sobre a banda e o dinheiro, é sobre criar uma comunidade. Se as pessoas amam a banda, elas podem se envolver o quanto quiserem, e ficar perto de nós o quanto querem também. Quanto maior tempo eles passam no site, mais chances de nos verem online, conversarem ou fazerem qualquer coisa que fazemos no Modcast. É como um fanclub original. Como antigamente, quando era exclusivo para algumas pessoas, e essas conseguiam coisas especiais por participarem do fanclub. Isso traz a mesma idéia. Comprar um CD atualmente é muito difícil, e as pessoas não têm nem mesmo a cópia original. Têm apenas as músicas em seus iPods, não olham mais o design do encarte, então essa é a chance pra dar às pessoas imagens e vídeos.

David: No final, não temos que pagar por essa parte. Você ainda pode ter fotos no site, como sempre. Mas eu prometo, que ao se tornar um membro e ver o Tom tomando banho na webcam,  não vai se arrepender, entende? De repente, tudo isso virou um pequeno mundo, no qual você pode brincar.

Tom: Você precisa imaginar. Eu recebi uma carta de um parente, esses dias, dizendo: “Tom, você tem uma parte extra em idiotice e perversão”. Como eu poderia ter feito isso sem o Modlife?

Certo. Olhando mais adiante, o que podemos esperar para próximo álbum?

Tom: No passado, falamos em fazer uma gravação mais punk rock. Todos nós temos muitas idéias, uma dela é gravarmos algo enquanto o Matt trabalha em algo diferente paralelamente. A música que criamos é muito boa, e pode ser boa por ela mesma, sem precisar de uma letra. Acho que seria muito legal gravarmos algo para as pessoas ouvirem quando não querem ligar a televisão, apenas viver e ter uma boa música de fundo. Vamos ver o que acontece.

Nós também ouvimos que vocês planejam gravar um álbum com remixes. Falem mais sobre isso, e vocês acham que podem passar a oferecer música gratuitamente no futuro?

Tom: Nós temos trabalhado muito nessa categoria. Estávamos trabalhando em alguns remixes, mas não tivemos tempo para terminar tudo. É nossa meta quebrar barreiras ao lançar um álbum, e adoraríamos lançar isso de graça. Mas também queremos fazer música que as pessoas comprem, músicas que tenham valor para elas. Nosso objetivo é fazer coisas diferentes.

Uma pergunta: qual das suas músicas tem um sentido especial pra você?

Tom: Às vezes, eu me refiro a “The Adventure” como um momento de reconhecimento, onde todo mundo pode entender onde essa banda quer chegar.

Matt: “The Adventure” é muito consistente, pois muitas pessoas podem relacioná-la à idéia de estar presa em uma situação, ou relação, da qual estão tentando escapar. Mesmo antes de entrar para a banda, eu ouvi a música, e foi uma coisa muito poderosa pra mim, já eu estava em uma situação na qual não queria continuar, tentando seguir em frente. Então, tocar essa música pela primeira vez foi um momento muito especial, e todos podem se relacionar com isso. É um bom sentimento ver todo mundo conectado ao mesmo tempo. E agora Atom vai rir de mim.

Atom (bate no ombro de Matt):   Ah, é uma coisa emocionante, e especial.

O que vocês vêem no futuro próximo do Angels and Airwaves?

Tom: Existe uma pequena cidade fora do Colorado chamada Vila YeahYeah, e YeahYeah é uma antiga palavra indiana para testículos.

David: Você se vê em testículos futuramente?

Tom: Eu me vejo na Vila Testículo.

Matt: Atom se tornará um velho caseiro.

Tom: Espero que estejamos fazendo música do nosso jeito, já que fazemos tudo como queremos, e mostraremos como nossas idéias são muito maiores que essa banda. Estaremos flutuando…

David: Poderemos atingir nossas expectativas.

Tom: Sim, e não haverá gravidade em nossos shows.

David: Na verdade, no futuro não tocaremos mais nada. Nós apenas olharemos para as pessoas e as engravidaremos telepaticamente.

Tom: Povoaremos a Terra como ouriços-do-mar. Vamos romper com a atmosfera.

David: Eu não acho que ouriços-do-mar fazem isso.

Tom: Eles devem fazer isso na água. Foi a única coisa que aprendi em biologia.

Tradução por Mona.