Assim se faz o futuro

Autor Por brunobld em 03/01/2010

Lembro como se fosse hoje. Ela andando pelo calçadão, trajando aquelas roupas antiquadas e desbotadas, com o passo lento e o olhar vago. Creio que ela nunca tinha destino, que apenas saia a caminhar.

E ela fazia isso todos os dias, sempre com aquele olhar vago, como se estivesse prestando atenção para além do foco. Vivia tentando imaginar o que ela estaria pensando, mas nunca consegui ir muito longe – minha imaginação não era tenaz o suficiente para driblar aquela expressão misteriosa. Ela não demonstrava ter anseios, nem desejos, nem perspectivas. Ela simplesmente seguia o seu caminho, que não parecia ser planejado, talvez nem quisto. Era o vento que a carregava.

Aquela moça não esperava glórias, não pedia por recompensas, não se importava com resultados. Ela apenas caminhava. Um passo depois do outro, depois do outro…

Um dia eu tive a vaga impressão de que nossos olhares se cruzaram. Não sei se realmente aconteceu, se ela não estava apenas olhando o infinito. Mas, na fugacidade daquele instante milesimal, compreendi que, apesar de não conhecer seu destino, ela sentia a necessidade de continuar. Ela sentia o dever de trilhá-lo. E assim o fez.

Todos os dias, com chuva ou com sol, ela vestia aquelas roupas antiquadas, calçava suas sapatilhas surradas e saia a caminhar.

Hoje, lembrando dela, entendo que o destino só se faz caminhando. Que, embora o futuro seja incerto, a passos lentos, porém decididos, chegaremos lá.

Tenham todos um ótimo 2010.

Leandro Dani tem 22 anos. Sigam-me os bons: @leandrofeh