" alt="nome da noticia">

As 9 parcerias marcantes do blink-182

Autor Por Márcio Medeiros em 06/02/2013

Agora, toda semana o Action182 traz para você uma divertida lista temática, sempre relacionada com o blink-182 e seus integrantes. Você já viu os 13 melhores duetos de Mark e Tom, as 12 músicas do blink-182 que poderiam virar singles e as 10 participações de integrantes do blink-182 em clipes de outros artistas.

O blink-182 poderia não ser o que é hoje se não fossem algumas parcerias que a banda fez durante os 20 anos de história. Abaixo você confere algumas que marcaram o trio californiano de alguma forma.

1. Rick DeVoe

Em 1994, o ainda blink começava a estourar por conta das vendas do Cheshire Cat e da irreverência em seu primeiro clipe, “M&Ms”. A repercussão ultrapassou os limites de San Diego, cidade natal da banda, e chegou a Rick DeVoe.

Rick cresceu no sul da Califórnia no meio da cultura do surf e do skate e se tornou um dos produtores de shows punk mais respeitados dos Estados Unidos e depois, um dos grandes empresários. DeVoe foi um dos primeiros a trabalhar com o The Offspring, fez grandes shows com o NOFX, era amigo da banda Pennywise e, na época, também era empresário do Unwritten Law.

Com o hiato do blink-182, DeVoe continuou trabalhando com Tom DeLonge e, com a reunião da banda, ele ainda se faz presente sendo um dos que faz parte do grupo  de empresários que trabalha atualmente com o trio.

 

 

2. Unwritten Law

No ano de 1995, o blink-182 estava pronto para cair na estrada. Quer dizer, estava quase pronto. Faltava um veículo para a banda sair da região do sul da Califórnia pela primeira vez. Mesmo com o sucesso do Cheshire Cat, Mark, Tom e Scott não tinham dinheiro para comprar uma van. Porém, com a provável ajuda de Rick DeVoe, o Unwritten Law emprestou uma velha van para a banda. Ela se chamava “The Cock”.

Após diversos problemas com o veículo, sendo um deles resolvido por um roadie do Face To Face e mesmo assim fez com que Mark dirigisse o veículo por 12 horas sem parar, fora outras tantas vezes, já que ele era o único com idade legal para pegar no volante, o blink-182 conseguiu comprar sua própria van em setembro do mesmo ano, a famosa “The Millennium Falcon”.

 

 

3. Warped Tour

A história da Warped Tour se mistura com a história do blink-182. Nos sete primeiros anos da famosa turnê de verão dos Estados Unidos, a banda de San Diego esteve presente em cinco edições: 1996, 1997, 1998, 1999 e 2001, além de fazer parte da coletânea produzida pelo evento em três oportunidades, sendo em 2010 a mais recente, onde figou na capa e abriu o disco 1 com “The Rock Show”.

E é em “The Rock Show” que a a banda diz que “mal pode esperar pelo verão e pela Warped Tour”.

 

 

4. The Aquabats

Em 1998, o blink-182 participou da SnoCore Tour, uma espécia de Warped Tour de inverno. Primus, Long Beach Dub All Stars, The Aquabats, The Alkaholics e Mephiskapheles faziam parte da turnê, porém, os super-heróis mascarados da Califórnia foram especiais para o trio, um em especial.

Travis Barker era o baterista do The Aquabats naquele ano e, com a saída de Scott Raynor, o músico assumiu pela primeira vez as baquetas da banda de San Diego na citada turnê. No verão do mesmo ano, o músico entrou para a banda de vez e o resto é história.

 

 

5. Jerry Finn

“Ele ajudou o blink-182 a ser o que é hoje”, escreveu Mark Hoppus sobre Jerry Finn. Sem dúvida, esta é uma das principais parcerias desta lista. O blink-182 conheceu Jerry quando a banda gravou a música “Mutt” para o filme American Pie e daquele dia em diante, nunca mais trabalhou com outro produtor.

Finn produziu os álbuns Enema of The State, The Mark, Tom and Travis Show (The Enema Strikes Back!), Take Off Your Pants and Jacket, Self-Titled Greatest Hits e só não fez mais pois, em 2008, o produtor faleceu após ter sofrido uma hemorragia cerebral.

Sempre como um trio, o blink-182, durante 10 anos, teve um quarto membro, considerado pelos próprios integrantes, e ele era o Jerry Finn.

 

 

6. Roger Joseph Manning, Jr.

O blink-182 sempre foi um trio, certo? Seja com Scott Raynor no início ou com Travis Barker de 1998 até hoje. Mas, se você ouvir com atenção os quatro últimos álbuns da banda, perceberá a presença de outros instrumentos como teclados e sintetizadores, que foram fundamentais para preencher a sonoridade do trio californiano.

Roger Joseph Manning, Jr. é o músico que comandou estes intrumentos desde o Enema of The State. Ele já trabalhou com A.F.I., Alkaline Trio, Green Day, MxPx, em dois discos do Angels & Airwaves, entre tantas outras bandas.

 

 

7. Marcos Siega

Quem não se lembra de assistir clipes na MTV, ou mesmo baixá-los em algum KaZaA da vida, e nos segundos iniciais e finais do vídeo ler os créditos com nome da banda, música, álbum, gravadora e diretor? Marcos Siega foi um nome que apareceu bastante, principalmente no final dos anos 90 e início dos anos 2000.

Siega dirigiu clipes de Weezer, System of a Down, Papa Roack, P.O.D., The All-American Rejects e muito mais. Com o blink-182, Siega dirigiu os clássicos clipes de “All The Small Things” e “What’s My Age Again?”, além do vídeo de “Man Overboard”.

 

 

8. Robert Smith

O The Cure sempre foi citado como uma das influências do blink-182, principalmente por conta de Mark. O baixista aprendeu a tocar seu instrumento ouvindo músicas desta e de algumas outras bandas, além de ter gravado uma fita demo com o The Attic Children em 1988 com alguns covers deste expoente do gothic rock.

A aparição de Robert Smith em uma música do blink-182 foi um sonho realizado. Foi também a primeira vez que o trio assinava a autoria de uma canção com um músico de fora. Na época da gravação do Self-Titleda banda enviou uma gravação de “All of This” para Smith e o músico inglês disse o seguinte: “Ninguém sabe que tipo de música vocês podem fazer no futuro e ninguém sabe qual é o potencial de uma banda. Eu realmente gostei da música que vocês me enviaram”.

Smith fez a gravação na Inglaterra e a parceria não terminou ai. Em 2004, Mark, Tom e Travis participaram do MTV Icon com o The Cure. Na ocasião, o trio fez o cover de “A Letter to Elise”, um dos melhores da noite, segundo o próprio Smith, que também convidou a banda para tocar a música da parceria. E no dia 6 de Dezembro daquele mesmo ano, em um show na Wembley Arena, em Londres, o blink-182 recebeu o frontman do The Cure para executar “All of This” e fazer um cover de “Boy’s Don’t Cry”.

 

9. Hoppus–DeLonge

E por que não falar da parceira Hoppus–DeLonge? Ok, a banda teve Scott Raynor e tem Travis Barker, mas a maioria esmagadora das músicas foram compostas por Mark e Tom.

Desde os primeiros dias de banda, como na composição de “Carousel”, esses dois se conectaram de tal forma e conseguiram criar hinos do pop-punk, além de se firmarem, ambos, como frontman do blink-182.

Fora as composições em conjunto, os músicos criaram uma conexão nos vocais de diversas canções, já mostrada na lista de melhores duetos.

 

Lembra de mais alguma parceria que poderia estar na lista? Conte para nós nos comentários!