As 11 melhores batidas criadas por Travis Barker

Autor Por Danilo Guarniero em 04/02/2014

Travis-Barker-D-R-U-M-S

Travis Barker é um baterista muito versátil e criativo, isso não é novidade para ninguém. Muitos bateristas por aí podem odiá-lo por acharem que, como você já deve ter visto muitos haters por aí, “ele não é tudo isso que falam” — fãs de blink-182, por favor não fiquem discutindo na internet sobre se o Travis é o melhor baterista do mundo ou não.

O segredo para essa versatilidade e originalidade vem, além do amor e das horas diárias de treinos, da dedicação que ele tem para criar batidas únicas, como ele já disse nessa entrevista. Aparentemente, ele tenta fazer com que cada batida que cria seja uma coisa diferente e única. E sempre consegue.

Se você já deu uma ouvida em toda a discografia das bandas que ele tocou, pode notar que não tem uma única música que a bateria seja simples demais. Por mais simples que seja, sempre terá um elemento único e criativo que ele botou a mão.

É muito difícil escolher  as músicas no meio de tantas. Assim, contamos com a ajuda do pessoal que segue a gente no Twitter para elaborar essa lista das 11 melhores batidas compostas por Travis Barker — não necessariamente nessa ordem.

Mais uma vez, como são diversas as opções, é bem provável que você não concorde, então convidamos a todos para que comentem o que acharam e quais as suas batidas prediletas. Este post é só para começar a conversa, combinado?

Aliás, segue a gente no Twitter também, assim você pode nos ajudar nas próximas listas que fizermos por lá -> @action182

blink-182 – “Dogs Eating Dogs”

Só de ouvir a ponte da música que dá nome a esse EP já dá pra saber porque ela está aqui.

blink-182 – “After Midnight”

E por falar em batidas únicas de Travis Barker, essa é uma que pode parecer simples depois de ouvir bastante a música, mas que com certeza deixou todo mundo curioso enquanto ouvia pela primeira vez. As notas rápidas no chimbau fechado intercaladas com as batidas no bumbo e na caixa foram as primeiras coisas que estavam prontas na música, que depois recebeu os instrumentos de Mark Hoppus e Tom DeLonge para finalizá-la.

blink-182 – “Heart’s All Gone”

A bateria é o coração da música. Energia. Velocidade. Punk Rock. That’s all.

+44 – “155”

Uma música com 155 batidas por minuto chamada… 155! Mais uma daquelas que pode até parecer simples se você não prestar atenção, mas não precisa ter um ouvido tão atento para perceber a originalidade da batida, que intercala o compasso entre as notas de chimbau e quebra com a batida na caixa. Sem contar que pode parecer fácil tocá-la, mas haja coordenação. Com certeza merece destaque.

blink-182 – “Adam’s Song”

Nos versos, onde o Travis podia muito bem só colocar uma batida convencional “tu tu pa” para acompanhar a música ele encaixou genialmente um jogo de pratos que dão o toque final e tornam essa música única.

TRV$-DJAM – “Fix Your Face 01”

Talvez esse projeto do Travis tenha sido, até o hoje, o mais experimental de todos em sua carreira. Praticamente um laboratório, onde ele foi capaz de aprimorar sua técnica e criatividade. Todas as mixtapes trazem linhas incríveis de batidas, mas a que abre a primeira mixtape, Fix Your Face, é impossível de não ser citada. #RipDJAM

blink-182 – Kaleidoscope

Essa é uma daquelas que se você tirasse todos os instrumentos, ainda assim não sobraria uma sobra de dúvidas sobre qual é a faixa. Mais uma vez, onde poderia ir uma batida convencional, o cara encaixou uma batida única e que traz brilho à música.

“Whistle Dixie” (feat. Yelawolf)

Música que está no EP “Psycho White”, de Travis  Barker e Yelawolf. A batida de caixa rápida no estilo “marching band” dita o andamento da música e é muito difícil imaginar qualquer outra batida acompanhando o assobio que não fosse essa.

blink-182 – “Anthem pt II”

Box Car Racer – “There Is”

Travis realmente gosta dessa levada na caixa no estilo marching band, até porque ele participou de uma quando era jovem. A bateria nas músicas do Box Car Racer não deixam de ser todas originais, como sempre, mas em There Is ela é bem memorável. Basta essa caixa começar a tocar nessa batida para você esperar os violões.

blink-182 – “Feeling This”

A faixa que abre o Self-titled, mostrando logo de cara a proposta mais madura em relação aos outros discos do blink-182, também não poderia estar fora da lista. O ritmo dessa batida é absolutamente memorável do início ao fim, com destaque para a introdução e para os refrões intercalados com o cowbell. Uma coisa interessante é que, no início da música, a batida da bateria tem o efeito “flanging” que, apesar de poderem ser feitos hoje através de recursos digitais, eles decidiram realizá-lo à maneira antiga.

_

Bônus – Travis Barker Remixes

Como não poderia faltar nessa lista, alguns dos remixes mais famosos do nosso baterista que rodaram pela internet e deixaram muitos queixos caídos. Old but gold!