A Odisséia Emocional de Travis Barker (Parte I)

Autor Por nath em 05/10/2011

Travis Barker concedeu uma entrevista ao site The Daily Beast falando sobre o acidente de avião, o retorno do Blink-182 e muito mais. Confira a tradução abaixo:

Travis Barker, baterista super tatuado do Blink-182, quase morreu em um acidente de avião há três anos. Com um novo sopro de vida e um novo álbum de sua banda (‘Neighborhoods’) já nas lojas, a estrela do rock se abre sobre o acidente, a perda de seu melhor amigo, DJ AM, e porquê o Blink-182 voltou.

Pouco antes da meia-noite de 19 de setembro de 2008, um jatinho transportando seis passageiros partiu de Columbia, Carolina do Sul, a caminho de Van Nuys, Califórnia, quando algo saiu terrivelmente errado. Controladores do tráfego aéreo notaram faíscas saindo do avião enquanto ele ganhava velocidade para decolar; uma testemunha ocular relatou que a aeronave, em chamas, se assemelhava a uma bola de fogo. O avião caiu a cerca de 400 metros da pista em um barranco ao lado de uma auto estrada. Momentos depois, gritos apavorados de “Oh my god!” foram ouvidos pelos que passavam, que resgataram dois sobreviventes retirando freneticamente suas roupas em chamas. Estes dois foram posteriormente identificadas como Travis Barker, então ex-baterista do Blink-182, e seu melhor amigo, DJ AM (nome verdadeiro: Adam Goldstein). Depois de serem levados para um centro especializado em queimaduras da Geórgia e considerados em estado crítico, ambos escaparam do acidente com queimaduras de segundo e terceiro graus. Os quatro outros passageiros – um assistente pessoal e um segurança de Barker somados aos dois pilotos não tiveram tanta sorte.

Antes do acidente, os dois amigos estavam colaborando em um projeto musical chamado TRV$DJAM, e haviam acabado de se apresentar juntos e serem incrivelmente aplaudidos em um evento grátis patrocinado pela T-Mobile frente a milhares de estudantes universitários.

“Eu estava no topo do mundo”, disse Barker ao The Daily Beast. “Meu objetivo era ser capaz de fazer algo com minha bateria que não me obrigava a estar em uma banda, e eu consegui isso com DJ AM. E então aconteceu nossa queda com o avião e foi, ‘Droga, eu estou num hospital e eles estão falando em amputar meu pé e estou implorando a meus amigos para virem e atirar em mim.’ Eu estava em um lugar muito, muito ruim.”

Um roqueiro de moicano com olhos azuis penetrantes e praticamente cada centímetro de seu corpo esguio coberto com tatuagens, Barker assumiu a bateria quando sua mãe, Gloria, comprou-lhe uma Muppets quando ele tinha 6 anos. De acordo com Barker, sua mãe – que podia tocar bateria tão bem quanto ele naquela idade – o encorajou a se dedicar à percussão em vez de a seus outros hobbies: andar de skate e andar de bicicleta. Aos 12, poucos dias antes de entrar no ginásio, ele a perdeu para o câncer.

“Para ser completamente honesto, eu meio que perdi tudo”, disse Barker. “Aquela foi a primeira grande experiência traumática que me aconteceu. Eu era praticamente um bebê e já era suicida aos 13 anos, apenas tentando descobrir uma maneira de ver minha mãe novamente. Mas mesmo com tantas energias negativas que aquilo me trouxe, me deu também positivas para realizar os sonhos que ela tinha para mim.”

Em 1993, aos 18 anos, Barker entrou para o grupo punk The Aquabats. Cinco anos depois a banda serviu de abertura para o Blink-182, que havia embarcado em uma turnê imensa ao redor de todo o país para a divulgação de segundo álbum, “Dude Ranch”. No meio da turnê, o baterista do Blink, Scott Raynor, foi demitido por seus companheiros de banda Mark Hoppus e Tom DeLonge devido a um suposto problema com a bebida, então eles pediram a Travis para preencher esta lacuna pelo o resto da turnê. De acordo com Barker, que descreveu o ocorrido “como conhecer uma garota que tem um namorado,” ele tinha menos de uma hora para aprender todas as músicas do Blink nos bastidores antes de seu primeiro show, e se tornou parte da banda desde então.

Armado com uma nova formação e um som mais pop-punk, o Blink-182 ganhou destaque nacional após o lançamento de seu álbum “Enema of the State”, de 1999. Eles se tornaram improváveis ídolos adolescentes graças ao programa da MTV Total Request Live, que popularizou o vídeo clipe de “What’s My Age Again?”, que conta com a banda correndo nua pelas ruas da cidade lotada. Barker pessoalmente lamenta a transformação bizarra que a MTV sofreu na última década.

“Eu não posso assistir a MTV mais”, disse Barker. “Eu entendo que os ‘reality-shows’ estão bombando agora, mas eu gostaria que fossem relacionados à música ou algo assim. Eu acho que o YouTube é o novo destino para vídeos musicais. É pra lá que eu vou.”

Barker teve sua própria experiência com fama em 2005, estrelando com sua então esposa, Shanna Moakler, na série da MTV “Meet the Barkers”, que exibia o casal criando seus três filhos e a carreira musical de Travis. O programa teve 16 episódios durante duas temporadas até que ele decidiu deixar tudo de lado quando a MTV recomendou mais drama entre ele e Shanna.

Depois que o show saiu do ar, Barker entrou com um pedido de divórcio dela em 2006. As coisas se complicaram, com cada uma das partes publicamente se queixando em suas respectivas páginas do MySpace, e o baterista se envolvimento em um caso breve com Paris Hilton, que resultou num encontro não muito agradável entre Shanna e Hilton em uma boate de Los Angeles. Apesar de todo o drama ao longo dos anos, Barker e Moakler ainda estão muito próximos.

 

Tradução: Kevin Heitor.

Join the Forum discussion on this post